14:50 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    3121
    Nos siga no

    A Boeing anunciou nesta segunda-feira (16) que interromperá a produção do 737 MAX, avião comercial mais vendido da companhia, após dois acidentes fatais com o modelo que deixaram 346 mortos. 

    Embora a empresa tenha dito que não despedirá nenhum empregado durante o período que a produção estiver paralisada, a medida pode ter grande impacto para suas finanças e até mesmo para a economia dos Estados Unidos. A decisão foi tomada pela direção da Boeing após reunião que durou dois dias em Chicago. 

    Modelo não pode operar desde março

    Na semana passada, foi noticiado que a Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) não autorizaria que o modelo voltasse a operar. Os voos do 737 MAX estão suspensos desde março, após acidentes com o modelo na Indonésia, em outubro de 2018 e, cinco meses depois, em março de 2019, na Etiópia. 

    A suspensão causou um prejuízo de cerca de 9 bilhões de dólares aos cofres da Boeing até o momento. Apesar da proibição dos voos, a companhia continuava produzindo o modelo e comprando peças de fornecedores, embora em um ritmo menor. As entregas das aeronaves, no entanto, estão congeladas até os órgãos reguladores autorizarem o retorno do 737 MAX ao ar. 

    Mais:

    Boeing leva multa milionária da FAA por negligência
    Linha aérea australiana abre mão à Boeing e escolhe Airbus para voos mais longos do mundo
    Engenheiro aeronáutico alega ter descoberto possível localização do MH370
    Boeing teria recusado oferta de US$ 85 bilhões do Pentágono
    Tags:
    desastre, acidente aéreo, economia, EUA, aviação, FAA, Boeing 737, 737, Boeing
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar