05:11 14 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    6220
    Nos siga no

    Os líderes da China prometem aumentar o crescimento econômico no próximo ano, mesmo com a atual guerra comercial com os EUA, e também reduzir a pobreza e a poluição. 

    Os líderes do Partido Comunista, em comunicado divulgado nesta sexta-feira (13), prometeram em uma reunião anual de planejamento promover o desenvolvimento e a competição baseados em tecnologia, abrindo mais a economia dominada pelo estado.

    A Reunião Anual de Trabalho Econômico, que terminou na quinta-feira, estabelece metas gerais para o próximo ano. Empresas e investidores geralmente precisam aguardar a reunião do legislativo cerimonial da China em março para obter mais detalhes, informa a agência de notícias Associated Press.

    Os líderes comunistas estão no meio de uma batalha para orientar a China em um crescimento mais sustentável, embora mais lento, com base no consumo doméstico, em vez do comércio e investimento. Seus planos foram desafiados pela guerra comercial com Washington e por uma queda inesperadamente acentuada na demanda dos consumidores chineses.

    O crescimento econômico caiu para 6% no trimestre encerrado em setembro. É uma baixa histórica na comparação com os anos anteriores. 

    A declaração de sexta-feira prometeu combater "três grandes batalhas'': a pobreza, a poluição e o risco financeiro. É dito que o partido no poder "garantirá um crescimento razoável'' na economia e "crescimento estável'' do comércio.

    O texto não fez menção direta à guerra comercial com os Estados Unidos, mas disse que a China enfrenta "crescentes riscos e desafios em casa e no exterior ''.

    Mais:

    Até quando vai durar a guerra comercial entre EUA e China? Banqueiro avalia
    Marinha do Brasil deve se inspirar na China por desenvolvimento com novas corvetas, diz analista
    China: declarações do Pentágono provam que EUA desenvolveram mísseis antes de sair do INF
    'Se acalmem e sejam racionais': chanceler chinês manda recado para EUA
    Comércio entre Rússia e China pode quebrar novo recorde em 2019
    Tags:
    economia, Estados Unidos, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar