18:51 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Yuan chinês

    Petróleo em yuan: uso da moeda chinesa pode 'virar regra' na Venezuela

    © Sputnik / Aleksandr Demyanchuk
    Economia
    URL curta
    6120
    Nos siga no

    O governo venezuelano e a companhia estatal de petróleo, PDVSA, oferecem a fornecedores pagamentos a moeda chinesa. O país, que é alvo de sanções norte-americanas, está perdendo o interesse no uso do dólar.

    A medida tomada pela empresa é um reflexo dos esforços de Caracas para evitar pagamentos em dólar e os efeitos das sanções econômicas, impostas no intuito de derrubar o presidente Nicolas Maduro.

    Membros do governo teriam proposto verbalmente pagamentos em yuan, que seriam feitos para contas registradas na China, a pelo menos quatro empresas, conforme reportou a Reuters.

    Poço de petróleo nos arredores da cidade El Tigre, no Cinturão de Orinoco, uma das regiões mais ricas em petróleo no mundo
    © AP Photo / Fernando Llano
    Poço de petróleo nos arredores da cidade El Tigre, no Cinturão de Orinoco, uma das regiões mais ricas em petróleo no mundo

    As entidades públicas venezuelanas tradicionalmente pagam seus fornecedores em bolívares venezuelanos ou em dólares norte-americanos. Mas a hiperinflação, aliada às sanções econômicas que limitam os negócios do país, levaram o governo a buscar novas soluções.

    O pagamento em yuan permite à Venezuela utilizar os seus fundos aplicados na China, sem interagir com o sistema financeiro dos EUA.

    A PDVSA e o Banco Central da Venezuela detêm contas em bancos chineses já há algum tempo, parcialmente em função de um acordo bilateral de empréstimos firmado há mais de uma década.

    Estatal de petróleo venezuelana PDVSA
    © NASA . Ivan Alvarado
    Estatal de petróleo venezuelana PDVSA

    Estima-se que o Banco Central da Venezuela tenha pelo menos US$ 700 milhões em yuans em uma conta no Banco Central da China, que seriam fruto de exportações de petróleo feitas em 2019.

    Receber pagamentos em moedas estrangeiras, ou em contas bancárias registradas fora do país, são "percalços com que alguns dos fornecedores devem lidar para serem pagos", disse Raul Gallegos, diretor para a região andina da consultoria Control Risks.

    "Esse será o procedimento padrão enquanto Maduro e as sanções norte-americanas permanecerem", concluiu.

    Anteriormente, havia sido reportado que a PDVSA optara por realizar seus pagamentos em euros, utilizando dinheiro vivo. Os euros teriam sido obtidos através da exportação de petróleo e de ouro.

    Uma pepita de ouro em uma cédula de 500 bolívares.
    © Sputnik / Magda Gibelli
    Uma pepita de ouro em uma cédula de 500 bolívares

    A Venezuela está sob sanções norte-americanas desde 2014. Em 2 de agosto desse ano, os EUA anunciaram "sanções econômicas totais" contra o país, adotando a medida pela primeira vez em 30 anos.

    Em 16 de agosto, a alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos expressou preocupação com as sanções "extremamente amplas" e previu um "impacto severo" sobre os setores "mais vulneráveis da população" do país, que "já sofre há muito tempo".

    As fontes se recusaram a indicar a quais empresas teria sido feita a proposta. O Banco Central da China, a PDVSA e o governo da Venezuela não comentaram a informação.

    Mais:

    Pressão e incertezas: como alta do dólar pode influenciar brasileiros e Plano Real?
    Cansados do dólar? Japão e China reduzem títulos da dívida americana
    Erdogan convoca turcos a 'deixarem o dólar' em ato de patriotismo
    Trump consultou Michel Temer sobre intervenção na Venezuela, segundo mídia
    Tags:
    PDVSA, Banco Central da China, China, yuan, EUA, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar