20:08 02 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    9551
    Nos siga no

    Maior detentor de dívida dos EUA, o Japão reduziu sua participação nos títulos em ritmo semelhante ao anteriormente iniciado por Pequim.

    Nos últimos anos, a China ocupou a liderança na lista dos países com maior participação na dívida pública dos EUA. No entanto, devido à "guerra comercial", o país iniciou um processo de desdolarização de sua economia, o que foi acompanhado pela venda de parte de seus títulos americanos.

    Logo abaixo da liderança chinesa, o Japão figurava como o segundo maior credor da economia norte-americana, passando a ocupar o primeiro lugar em junho, com uma fatia de US$ 1,12 trilhão (cerca de R$ 4,68 trilhões), enquanto no mesmo período a China caiu para o segundo lugar com US$ 1,1 trilhão (cerca de R$ 4,59 trilhões), conforme publicado pelo Tesouro americano.

    Mesmo assim, o Japão reduziu em US$ 28,9 bilhões (cerca de R$ 120 bilhões) sua fatia nos títulos americanos entre agosto e setembro deste ano.

    Além disso, a China não mudou o curso e continuou reduzindo o total de seus títulos.

    Guerra comercial e risco de desvalorização do dólar

    Por sua vez, com o intuito de apoiar suas moedas nacionais, os bancos centrais vendem seus ativos em dólares, ao passo que a "guerra comercial" entre os EUA e a China tem trazido o temor de que a grande redução dos títulos da dívida americana possa causar a desvalorização dos mesmos.

    Tal cenário se torna ainda mais temido com os pedidos de Trump para a Reserva Federal (Fed) desvalorizar o dólar, o que poderá reduzir os lucros oriundos dos ativos americanos.

    Por sua vez, a Reserva Federal já iniciou a compra de seus títulos, injetando na economia novos dólares impressos, aumentando a oferta da moeda no mercado monetário.

    Exemplo russo

    Por sua vez, a Rússia já vendeu quase todos seus ativos americanos. Atualmente, o banco central do país possui por volta de US$ 10 bilhões (cerca de R$ 41 bilhões) em títulos de curto e longo prazo.

    Ainda no final do passado ano, Moscou já tinha reduzido em US$ 100 bilhões (cerca de R$ 418 bilhões) sua participação nos títulos americanos. Ao mesmo tempo, a Rússia aumentou seus investimentos no ouro e em reservas internacionais, como o euro e o yuan.

    No entanto, caso a China siga os mesmos passos que a Rússia, segundo especialistas entrevistados pela Sputnik, existe o risco de uma forte desvalorização do dólar.

    Mais:

    Ex-agente da CIA descoberto como espião da China é condenado nos EUA
    'A questão é saber se eu quero': Trump se mostra incerto sobre acordo EUA-China
    Bitcoin em queda livre: criptomoeda tem pior cotação em 6 meses após nova ofensiva da China
    Tags:
    dívida pública, títulos do tesouro, Japão, China, guerra comercial, dólar, desvalorização, Federal Reserve (Fed)
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar