17:57 11 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente Jair Bolsonaro discursa em evento para investidores na Arábia Saudita.

    Analista sugere porque sauditas oferecem à Índia investimento 10 vezes maior do que ao Brasil

    © REUTERS / Hamad I Mohammed
    Economia
    URL curta
    143010
    Nos siga no

    Após um tour internacional, o presidente Jair Bolsonaro voltou do Oriente Médio com uma promessa de investimento de US$ 10 bilhões da Arábia Saudita. A quantia, todavia, é 10 vezes menor do que o prometido à Índia.

    Bolsonaro assinou acordos nas áreas de concessão de vistos, cooperação em projetos de Defesa, cooperação cultural e fortalecimento de investimentos bilaterais com Riad. Os acordos foram um dos últimos capítulos de uma agenda internacional que também passou por Japão, China, Emirados Árabes Unidos, Qatar e Arábia Saudita.

    O investimento de US$ 10 bilhões do fundo soberano saudita no Brasil ainda não teve cronograma ou mais detalhes divulgados. Todavia, o maior foco deverá ser a agricultura. 

    "Identificamos com o presidente brasileiro algumas áreas [que podem receber investimentos]. A número um é agricultura", disse o ministro do Comércio e Investimento saudita, Majid bin Abdullah Al Qasabi, em entrevista ao UOL. 

    Autoridades brasileiras também afirmaram que o dinheiro da Arábia Saudita poderá ser usado em obras de infraestrutura.

    A quantia, contudo, é inferior aos US$ 100 bilhões prometidos à Índia, que já tem acordado o investimento de US$ 35 bilhões naquela que promete ser a maior refinaria de petróleo do mundo. O primeiro-ministro indiano, Nerenda Modi, também esteve na Arábia Saudita ao mesmo tempo que Bolsonaro.

    Apesar da discrepância de valores, o professor de relações internacionais Universidade Presbiteriana Mackenzie Francisco Cassano acredita que "não há como fazer comparações" já que a Arábia Saudita está mais próxima da Índia e o projeto da refinaria, por si só, já representa um "investimento muito concentrado".

    "O que nos deixa animados é que, em primeiro lugar, a Arábia [Saudita] está querendo fazer uma reserva da sua base alimentar, já é uma grande importadora do frango brasileiro, deve investir parte desses recursos em ampliar a sua base alimentar, talvez novos produtos brasileiros passem a fazer parte de sua cesta de alimentos", diz Cassano à Sputnik Brasil. 

    Em 2018, o Brasil exportou US$ 2,1 bilhões à Arábia Saudita, os principais produtos vendidos foram carne de frango (38%), açúcar de cana (16%) e carne bovina (7,3%). Já as importações ficaram em US$ 2,1 bilhões e o principal produto foi óleo bruto de petróleo (66%). 

    Mais:

    Bolsonaro 'traiu' militares, esquerda 'lançou uma boia', diz representante da categoria
    Para PGR, fala de Eduardo Bolsonaro sobre AI-5 é protegida por imunidade parlamentar, diz site
    Especialista: declarações de Bolsonaro refletem polarização partidária na América Latina
    Após Bolsonaro ser citado, viúva de Marielle Franco pede que Estado brasileiro investigue a todos
    Tags:
    China, Arábia Saudita, Brasil, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar