21:37 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Vista do Cartão Bolsa Família, da Caixa Econômica Federal, que serve para o beneficiário do programa realize o saque mensal do valor do bolsa família, um programa de transferência direta de renda, direcionado às famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza em todo o País

    Corte no Bolsa Família pode estagnar ainda mais economia nas periferias, diz economista

    © Folhapress / Everton Silveira/Agência Freelancer/Folhapress
    Economia
    URL curta
    Por
    14256
    Nos siga no

    Criado há 15 anos, o programa Bolsa Família volta a ter filas de espera para quem deseja receber o benefício, sofre ameaças de corte e causa apreensão em quem depende dele para pagar as contas.

    A informação de que o programa Bolsa Família voltou a ter filas foi dada pelo ministro Osmar Terra (Cidadania) a integrantes da CMO (Comissão Mista de Orçamento) do Congresso durante reunião ocorrida em setembro deste ano. As filas para entrar no programa não eram registradas desde 2017.

    "Conseguimos terminar com a fila. Agora está voltando a fila de novo em função da nossa dificuldade orçamentária", disse o ministro. A fila de espera se forma quando as respostas demoram mais de 45 dias.

    Até agosto deste ano foram gastos em média R$ 2,6 bilhões por mês no Bolsa Família. Se esse ritmo for mantido, o montante de R$ 29,5 bilhões reservado pode não ser suficiente até o fim deste ano.  Atualmente 13,5 milhões de brasileiros recebem o auxílio do programa.

    Medo de cortes causa apreensão em quem precisa do benefício

    Rosângela da Silva Sanchez, faxineira, recebe o Bolsa Família há 16 anos. Ela teme próximos cortes no programa e diz que isso pode afetar muitas famílias que dependem da ajuda.

    "Eu trabalho, sou autônoma, então é um dinheiro que entra a mais mesmo para a gente. Eu sei de gente que está em situação bem pior e que só conta mesmo com esse dinheirinho, com esse benefício. Com certeza prejudica e prejudica muito porque é um dinheiro que entra", contou à Sputnik Brasil. 

    Atualmente o valor mensal recebido por Rosângela é de 130 reais e é gasto em despesas para o seu filho, de 16 anos.

    "Quando ele era pequeno eu usava para comprar alimentação. Agora que ele é adolescente eu uso para pagar o dentista dele, mas aproveito para comprar comida para ele também", disse Rosângela.

    Segundo o economista Cícero Péricles de Carvalho, professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que pesquisa o tema, a renda do bolsa família ajuda a aquecer a economia já que dificilmente o dinheiro obtido pelas famílias consegue ser guardado.

    "Esse dinheiro que chega nas famílias não faz poupança, ninguém guarda o Bolsa Família. Pesquisas mostram que ele vai em primeiro lugar para o consumo de alimentos, em segundo transporte, em terceiro medicamentos e vestuário. Esses são os quatro principais blocos onde o dinheiro normalmente é gasto", disse à Sputnik Brasil.

    Cícero Péricles de Carvalho explicou que essa injeção de verba ocorre justamente nas regiões mais pobres do Brasil e que eventuais cortes podem acelerar ainda mais a estagnação econômica dessas regiões.

    "Imediatamente quando a pessoa recebe o dinheiro ela vai para o comércio próximo, normalmente no setor de serviços e faz girar a economia", complementou.

    Falta de reajustes e incerteza sobre 2020

    O governo do presidente Jair Bolsonaro anunciou que pretende estipular neste ano o que chamou de "13º salário do Bolsa Família". A ideia é compensar o fato de o benefício do programa não receber reajuste desde maio do ano passado.

    Para o plano se concretizar, será necessário remanejar o orçamento para cobrir o gasto extra de R$ 2,5 bilhões estimado.

    Se este ano está difícil encontrar dinheiro para cobrir os gastos, no ano que vem não será diferente. O projeto de Orçamento elaborado por Bolsonaro prevê a utilização do mesmo montante que em 2019, aproximadamente cerca de R$ 29,5 bilhões.

    Cícero Péricles de Carvalho atribui a dificuldade em se aprovar o orçamento para o Bolsa Família à PEC 55, aprovada pelo ex-presidente Michel Temer.

    "A Lei de Gastos aprovada no governo Temer faz com que todos os ministérios estejam sob forte contenção, não somente a área social, mas todas elas. Isso pega todo mundo, incluindo os programas sociais", disse.

    No entanto, para o economista, a dificuldade de se pagar os beneficiários do Bolsa Família evidencia também que o governo do presidente Jair Bolsonaro não tem como prioridade os programas sociais.

    "Evidentemente as áreas sociais não são a prioridade deste momento do governo Bolsonaro, daí a dificuldade que atravessa não só o Bolsa Família, mas toda política. Veja por exemplo a proposta de Reforma da Previdência, sempre os cortes acontecem nessas áreas", disse Cícero Péricles de Carvalho.

    As propostas de reajuste, bem como a dificuldade orçamentária, passam muitas vezes longe de quem precisa do benefício. Vânia da Silva, dona de casa, recebeu um auxílio de 210 reais do Bolsa Família por 4 anos. Em entrevista à Sputnik Brasil, ela disse que usava o dinheiro para pagar aulas para o filho e ajudar em algumas contas de casa.

    "Eu não estou por dentro de qual a mudança que ele quer fazer a respeito do Bolsa Família. Mas têm muitas pessoas que realmente precisam desse dinheiro e ele ajuda bastante", contou.

    Como funciona o programa

    Idealizado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mas criado durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Bolsa Família já recebeu elogios do Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Mundial, além de diversos prêmios internacionais.

    Podem receber o benefício famílias com renda mensal por pessoa de até R$ 89, ou de até R$ 178 se houver crianças ou adolescentes de até 17 anos. Como contrapartida, é necessário que os filhos estejam frequentando a escola e com a vacinação em dia.

    A média do valor recebido por família é de R$ 188,63, segundo os dados de agosto deste ano.

    "É difícil a classe média compreender a diferença que faz 200 reais nas mãos de uma família muito pobre. Quando você se aproxima e assiste os gastos dessa família você vê o impacto que dá", concluiu Cícero Péricles de Carvalho.

    Mais:

    Dúvida para Bolsonaro, 'Teto de Gastos' trava crescimento do PIB, diz economista
    Presidente Bolsonaro sanciona medida provisória sobre liberdade econômica
    Ipea reduz previsão de crescimento da economia brasileira em 2020
    Indústria do Brasil perde relevância e tende a sair da 'elite' mundial, diz economista
    Haddad diz que Bolsonaro 'humilhou os beneficiários do Bolsa Família'
    Bolsonaro anuncia 13º salário para o Bolsa Família
    Tags:
    Osmar Terra, Paulo Guedes, Jair Bolsonaro, cortes, Brasil, renda, pobreza, economia, bolsa-família
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar