13:04 17 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Bolsa de valores de Nova York, 20 de junho de 2019

    Preço do petróleo cai pelo 2° dia seguido após ataque à refinarias sauditas

    © AP Photo/ Richard Drew
    Economia
    URL curta
    162
    Nos siga no

    O preço do petróleo voltou a cair nesta quarta-feira (18) após o governo saudita afirmar que metade da produção interrompida por um ataque no fim de semana já havia sido restaurada.

    O petróleo bruto de referência dos EUA caiu cerca de US$ 1 e foi a US$ 58,29 por barril no início das negociações. O petróleo Brent, referência internacional, caiu 85 centavos para US$ 63,70 por barril.

    O ataque às instalações da Saudi Aramco em Abqaiq elevou os preços do petróleo em mais de 14% na segunda-feira, um aumento equivalente à invasão do Kuwait pelo Iraque antes da Guerra do Golfo de 1991.

    Os preços médios da gasolina nos EUA foram de US$ 2,65 por galão na quarta-feira, acima dos US$ 2,59 na terça-feira e dos US$ 2,56 da semana passada.

    A Agência Internacional de Energia diz que ainda não está considerado liberar estoques emergenciais de petróleo para compensar a queda na produção porque os mercados do combustível continuam bem abastecidos.

    O ataque levou a uma queda de 5% na produção global, mas a Arábia Saudita disse que a produção será restaurada até o final do mês.

    Rebeldes do Iêmen assumiram a responsabilidade pelo episódio, mas autoridades dos EUA disseram suspeitar do Irã, rival regional da Arábia Saudita. Na quarta-feira, os sauditas exibiram o que disseram ser mísseis de cruzeiro iranianos e drones usados ​​no ataque.

    Uma escalada nas tensões entre os EUA e o Irã pode elevar o preço do petróleo novamente. O custo do barril de petróleo dos EUA subiu 30% este ano e ainda não voltou aos níveis de preços prévios ao ataque.

    A Arábia Saudita também disse que se juntaria a uma coalizão liderada pelos EUA para proteger as hidrovias do Oriente Médio.

    A coalizão, que inclui Austrália, Bahrein e Reino Unido, foi formada pelos EUA após ataques a petroleiros que as autoridades americanas atribuem ao Irã, bem como à apreensão de navios-tanque na região. O Irã nega qualquer conexão com os ataques.

    Mais:

    S-400 ou Patriot? Analista diz qual sistema seria melhor para Arábia Saudita após ataques de drones
    Arábia Saudita vende prédio de consulado onde jornalista Khashoggi foi assassinado
    Embaixador saudita: ataque a instalações petrolíferas 'quase certamente' foi apoiado pelo Irã
    Mídia: plano de contra-ataque ao Irã pelas refinarias sauditas incendiadas é proposto a Trump
    Arábia Saudita afirma ter provas da participação do Irã nos ataques a suas refinarias
    Tags:
    Saudi Aramco, Irã, Estados Unidos, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar