10:29 18 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Donald Trump, presidente dos EUA fala com jornalistas em na Casa Branca em 30 de julho de 2019

    Trump defende sua gestão econômica e guerra comercial com China

    © REUTERS / Leah Millis
    Economia
    URL curta
    968
    Nos siga no

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu hoje sua administração da economia e a guerra comercial com a China, em um momento em que temores de uma recessão colocam em dúvida um dos pilares de sua campanha eleitoral, o de tornar a economia americana grande outra vez.

    Em discurso para simpatizantes em Manchester, New Hampshire, o chefe de Estado norte-americano afirmou que suas táticas para pressionar a China na guerra comercial estão funcionando, apesar do fato de ambos os lados ainda estarem longe de um acordo para a retomada das negociações em setembro, escreve a agência Reuters. 

    ​De acordo com Trump, desvalorizações do yuan vão prejudicar seriamente a economia chinesa no longo prazo, forçando Pequim a fazer concessões. Muitos analistas acreditam que as tarifas extras adotadas por Washington sobre produtos chineses são responsáveis pela desaceleração da economia norte-americana, já que os custos mais elevados estariam sendo repassados aos consumidores locais. Mas, para o presidente dos EUA, não é bem assim.

    "Eles estão comendo as tarifas, por certo", disse Trump, citado pela Reuters. "Não há um aumento de preços", acrescentou.

    Mais cedo, em declarações no seu Twitter, o presidente americano afirmou que os Estados Unidos são, de longe, a "maior, mais forte e mais poderosa economia do mundo", e, quando os outros vacilarem, os EUA ficarão ainda mais fortes.

    Mais:

    FMI não confirma acusação dos EUA à China sobre 'manipulação da moeda'
    China e sua carta na manga: que faria Pequim com os títulos da dívida americana?
    Escalada da guerra comercial faz China restringir drasticamente importações de ouro
    Tags:
    Pequim, Washington, Reuters, Manchester, New Hampshire, guerra comercial, economia, China, Estados Unidos, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar