14:11 20 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Barras de ouro

    Rússia pode se tornar 4º país com maiores reservas cambiais do mundo

    © Sputnik / Pavel Lisitsyn
    Economia
    URL curta
    6392

    A Rússia pode em breve tomar o quarto lugar da Arábia Saudita na quantidade de reservas cambiais, relata agência Bloomberg.

    Aplicando uma política de livramento da economia de ativos denominados em dólares devido às sanções dos EUA, a Rússia deverá substituir a Arábia Saudita na quarta posição de quarto país com maiores reservas mundiais de dinheiro, ouro e outros títulos, afirma a agência.

    Segundo publicação, Rússia está estritamente limitando o orçamento, mantendo seu superávit, enquanto a Arábia Saudita continua gastando dinheiro em áreas sociais.

    Banco Central da Rússia indica que as reservas cambiais do país somaram cerca de US$ 518 bilhões em 1º de agosto. E a quantia de dinheiro só vem crescendo significativamente nos últimos quatro anos e é projetada pela Fitch Ratings em US$ 537 bilhões até o final de 2019, e US$ 591 bilhões até 2021.

    Maiores reservas

    Os três principais países com as maiores reservas cambiais são China, Japão e Suíça. O preço do ouro em si subiu no mês passado, quebrando um recorde de US$ 1.400 por onça pela primeira vez desde 2013.

    Entre os fatores por trás disso estavam as expectativas de taxas de juros mais baixas e a incerteza política devido a uma recente escalada na guerra comercial EUA-China, de acordo com um relatório do Conselho Mundial do Ouro (WGC).

    Vale destacar que as reservas cambiais consistem em moeda, ouro monetário e direitos de saque especiais, que estão sob controle estatal.

    Mais:

    Moscou aumenta reservas de ouro em meio ao iminente colapso do dólar, diz analista
    'Ouro é dinheiro': por que EUA se opõem ao uso do metal precioso nas transações globais?
    China faz compras maciças de ouro se afastando do dólar em meio a tensões com EUA
    Tags:
    ouro, dólares, reserva, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar