12:59 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente dos EUA Donald Trump na cúpula do G20 em Osaka

    Trump pressiona Reino Unido para que britânicos sigam suas políticas contra China, diz mídia

    © REUTERS / Kazuhiro Nogi / Pool
    Economia
    URL curta
    6010
    Nos siga no

    A guerra comercial entre a China e os EUA está provocando uma forte pressão sobre os aliados dos norte-americanos, que devem seguir as suas políticas impostas à China.

    Os EUA estão pressionando seus aliados para que sigam as políticas norte-americanas de restrição contra a empresa chinesa de telecomunicação Huawei em relação à infraestrutura da rede 5G, além da adição da empresa na "lista negra" dos EUA. Entretanto, até o momento, os britânicos permitiram o acesso da Huawei apenas a infraestruturas "não essenciais".

    A administração Trump enviou uma ameaça ao Reino Unido de que um acordo comercial pós-Brexit com os EUA dependerá da vontade do Reino Unido de seguir a política comercial dos EUA em relação à Huawei.

    Ao permitir o acesso da Huawei a redes e infraestrutura 5G recém-desenvolvidas, tal poderia afetar as negociações sobre um novo acordo comercial com os EUA, afirmou o jornal The Telegraph.

    A declaração se baseia na suposta ameaça à segurança nacional por parte dos EUA, que alega que a tecnologia da Huawei poderia ser utilizada pelo governo chinês para espionar os utilizadores das redes 5G.

    Um logotipo da Huawei é exibido em uma loja de eletrônicos em Hong Kong.
    Um logotipo da Huawei é exibido em uma loja de eletrônicos em Hong Kong.

    O CEO da Huawei, Ren Zhengfei, assegurou ao Reino Unido que "nunca faria nada para prejudicar qualquer outra nação". A própria Huawei também se ofereceu para assinar um acordo de "não espionagem" com os britânicos, ao contrário das empresas de tecnologia norte-americanas, como a Apple e o Google, que nunca ofereceram tal contrato.

    Os relatórios das conversações comerciais entre os EUA e a China revelam que as empresas de telecomunicações acreditam que, provavelmente, as reais preocupações dos EUA estão mais relacionadas à concorrência internacional no mercado global do que à ameaça de segurança.

    "Claramente [a proibição da Huawei] não está relacionada à segurança nacional", afirmou Nicholas Negroponte, especialista em tecnologia e acadêmico norte-americano.

    Um funcionário do governo britânico afirmou que o Reino Unido pode ter de ceder às políticas norte-americanas contra a Huawei, já que rejeitá-las poderia ser visto como algo que iria "minar os esforços de Washington para revigorar a Organização Mundial do Comércio".

    Essa não é a primeira vez que os EUA fazem declarações sobre apolítica interna britânica.

    Anteriormente, o secretário de Estado, Mike Pompeo, afirmou que pressionaria o governo de Jeremy Corbyn no Reino Unido, que teria desdenhado da administração Trump.

    Mais:

    Câmara dos Deputados dos EUA aprova emenda que proíbe Trump de atacar Irã sem aprovação do Congresso
    Trump diz que criptomoedas não são dinheiro e critica moeda virtual do Facebook
    'Vandalismo diplomático': Trump teria abandonado acordo com Irã por 'inveja' de Obama
    Tags:
    sanções, restrição, acordo comercial, acordo, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar