10:38 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    272
    Nos siga no

    Segundo diversos especialistas, os mercados financeiros globais poderiam enfrentar um novo colapso já nos próximos três meses. Os financistas Barry Knapp e Scott Clemons revelam duas teorias diferentes sobre a causa da próxima crise.

    A escalada do conflito comercial entre os EUA e a China representa uma “ameaça clara e evidente” para os mercados, afirmou Barry Knapp, sócio gerente da consultoria Ironsides Macroeconomics.

    "Se as tarifas [aplicadas aos produtos chinesas] aumentarem para 25%, houver um ajustamento no yuan chinês e se [o seu valor] mudar de forma ainda mais acentuada, isso poderia ser muito desestabilizador para os mercados de capitais globais. Isso, para mim, é uma ameaça muito real, clara e presente", disse ele ao portal Yahoo Finance.

    É de assinalar que, no fim do ano passado, a moeda chinesa se desvalorizou em meio às tensões comerciais entre Pequim e Washington.

    Segundo Knapp, uma nova rodada de tarifas contra as mercadorias chinesas no valor de 300 bilhões de dólares (R$ 1,17 trilhão) levaria à desvalorização ainda maior da moeda chinesa e causaria uma massiva fuga de investimentos do país. Isso poderia causar uma venda massiva de ações nos mercados financeiros globais, afirmou ele.

    Enquanto Knapp indica o yuan fraco como um potencial fator desestabilizador para os mercados globais, o estrategista Scott Clemons da empresa financeira Brown Brothers Harriman avisa sobre um possível brusco aumento da inflação.

    "Acho que é aconselhável preocuparmo-nos com as coisas com que ninguém está preocupado. Ninguém se preocupa com a inflação. Não posso deixar de pensar que, à medida que os salários aceleram, à medida que o mercado de trabalho continua a se retrair, me pergunto se em algum momento isso não vai levar ao aumento dos preços. Esse é o meu 'cisne negro'", opina Clemons.

    Cisne Negro é uma teoria do famoso economista Nassim Nicholas Taleb que explica os acontecimentos raros e difíceis de serem previstos, causadores de impactos extremos e que precisam de uma nova explicação. O termo foi cunhado pelo professor de finanças e antigo negociante de Wall Street, após a crise financeira de 2008.

    Mais:

    Guerra comercial poderia desencadear crise financeira global, avisa financista
    À espera de nova crise: ameaças que poderiam abalar economia global
    Tags:
    EUA, China, inflação, tarifas, guerra comercial, crise, ações, mercado financeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar