05:43 21 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Dólar com bandeira dos EUA de fundo

    Maldição do dólar: por que 'doença holandesa' ameaça economia americana?

    CC BY 2.0 / Images Money / Dollar
    Economia
    URL curta
    11403

    Segundo analistas, o fenômeno de "doença holandesa", geralmente enfrentado pelos países com economia subdesenvolvida, está ameaçando os EUA. O colunista da Sputnik, Ivan Danilov, explica porque o país com a maior economia do mundo poderia estar sofrendo desse fenômeno inerente aos países com economia mais pobre.

    Os jornalistas do Financial Times encontraram na economia dos EUA vestígios da chamada "doença holandesa" — um fenômeno econômico que se refere à relação entre o aumento da exportação de recursos naturais e a queda do setor industrial, o que afeta o desenvolvimento econômico e pode levar mesmo à desindustrialização.

    O termo "doença holandesa" surgiu na década de 1960 após a descoberta de uma das maiores jazidas de gás na Holanda. Em meio ao aumento dos preços do gás, a Holanda conseguiu aumentar significativamente as receitas da exportação de gás, o que levou à sobrevalorização da moeda holandesa.

    Como consequência, os preços dos produtos de outros setores da economia holandesa se tornaram menos competitivos no âmbito internacional, causando prejuízos e declínio da indústria.

    Hoje em dia, são os países em desenvolvimento cuja economia se baseia nas exportações de recursos naturais que geralmente enfrentam esse problema. Entretanto, sublinha o colunista da Sputnik, Ivan Danilov, os EUA também enfrentam esse problema, mas de uma forma mais incomum. Segundo o Financial Times, o dólar americano se tornou a causa da "doença holandesa na economia dos EUA".

    "De mesma forma que os holandeses descobriram gás natural, os EUA descobriram os dólares. Eles encontraram um jorro de dólares […] De fato, em cerca de 1980 eles descobriram que os EUA são uma Arábia Saudita com dólares em vez do petróleo", revelou a edição. O jornal The New York times também declarou que "os dólares são o produto-chave de exportação dos EUA".

    Entretanto, sublinhou Danilov, os EUA parecem ter descoberto "essa máquina de movimento perpétuo financeira" enquanto o dólar continuar sendo a moeda amplamente usada a nível global.

    A "doença holandesa" já causa danos na economia americana: os EUA estão se tornando "um país-impressora" que em vez de produzir bens imprime dinheiro. Por exemplo, o setor da defesa dos EUA depende de peças chinesas e de outros países, o que representa um risco para a segurança do país.

    Mais de 300 elementos-chave necessários para o funcionamento das Forças Armadas e da indústria de defesa dos EUA estão ameaçados: os produtores americanos ou estão à beira da falência ou já foram substituídos por fornecedores chineses ou de outros países devido à desindustrialização da economia nacional e à transferência da produção ao Sudeste Asiático, opinou Andy Home.

    Há outros sintomas da "doença holandesa" na economia dos EUA, entre elas o aumento da desigualdade social, a falta de investimentos em educação e os problemas na previdência social.

    "Se a economia dos EUA continuar dependendo da 'exportação de dólares', os esforços conjuntos da China, UE, Rússia, Irã, Venezuela e outros países que planejam uma desdolarização gradual do comércio global levarão a economia da hegemonia global até uma crise gravíssima", concluiu Danilov.

    Mais:

    Pequim continua aumentando reservas de ouro no âmbito da ofensiva contra dólar
    Bolsas brasileiras em queda fazem dólar fechar no maior valor do ano
    'Mundo não gira à volta do dólar', afirma diplomata russo
    Tags:
    desindustrialização, dólar, economia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar