20:56 08 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    350
    Nos siga no

    A balança comercial brasileira apresentou um superávit de US$ 58,7 bilhões puxada pelas exportações de matérias primas e comércio bilateral com a China.

    Esse resultado foi inferior ao do ano de 2017, US$ 67 bilhões, mas o segundo maior valor na série histórica da balança, informou o Indicador de Comércio Exterior (Icomex) de janeiro divulgado nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV).

    "A China atingiu a sua maior participação como destino das exportações brasileiras, 26,8%, o que resultou numa diferença de mais de 10 pontos percentuais em relação ao segundo parceiro os Estados Unidos, responsável por 12% das vendas externas do Brasil. O terceiro principal parceiro, a Argentina, reduziu a sua participação de 8,1% para 6,2% entre 2017 e 2018", revelou o estudo.

    Soja em grão, petróleo bruto e o minério de ferro explicam 82% das exportações brasileiras para a China, sendo a participação de cada um dos produtos de 43%, 22% e 17%, respectivamente.

    O estudo destacou as "turbulências" vividas em 2018, em função das eleições e das situação internacional "conturbada", refletindo a guerra comercial entre os EUA e a China, mas demonstrou otimismo para 2019. 

    "Para 2019, num primeiro momento, há expectativas otimistas quanto à melhora na economia argentina, o que poderá favorecer as exportações", destacou o documento.

    No entanto, as incertezas sobre a implementação de uma reforma tarifária trazem dúvidas. 

    "Além disso, anúncios de possíveis novos acordos e/ou revisões dos acordos existentes (Mercosul) e na agenda de relações bilaterais (China e Estados Unidos) poderão impactar os resultados da balança comercial", concluiu a pesquisa. 

    Mais:

    'Princípio de retração mundial': restrição da UE ao aço do Brasil reflete tensão EUA-China
    Trégua na guerra comercial entre China e EUA pode causar prejuízo ao Brasil?
    Muito além da 'bugiganga': China é principal fonte de produtos tecnológicos para o Brasil
    Análise: cortar relações com China para Brasil 'seria atirar pedras no próprio telhado'
    Nem China nem ninguém poderá comprar o Brasil, afirma Bolsonaro
    Afinal, guerra comercial entre EUA e China será boa ou ruim para o Brasil?
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar