05:25 25 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    220
    Nos siga no

    Uma nova liminar foi concedida pelo juiz Victorio Giuzio Neto, da 24ª Vara Cível Federal de São Paulo, para suspender o acordo entre as empresas Boeing e Embraer.

    A liminar foi concedida ainda na quarta-feira, mas foi confirmada nesta quinta-feira pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, no interior de São Paulo, um dos autores do pedido. Outros sindicatos da região onde a Embraer mantém fábricas também assinaram o pedido.

    No início do mês, o juiz já havia atendido a uma ação popular contra a negociação. A liminar foi derrubada dias depois pelo desembargador Souza Ribeiro, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), que atendeu a pedido da Advocacia-Geral da União (AGU). 

    Nesta segunda-feira, a Embraer informou ter aprovado com a Boeing os termos do acordo, que prevê a criação de uma nova empresa (joint venture) de aviação comercial no Brasil.

    O novo negócio seria avaliado em US$ 5,26 bilhões. 

    A fabricante norte-americana de aeronaves deterá 80% do novo negócio e a Embraer, os 20% restantes.

    O governo brasileiro, que é dono de uma "golden-share" na companhia, tem poder de veto nas decisões estratégicas da empresa e é necessário que o acordo seja aprovado pelas autoridades brasileiras.

    Caso o governo aprove o negócio, o acordo ainda será submetido à aprovação dos acionistas, das autoridades regulatórias, "bem como a outras condições pertinentes à conclusão de uma transação deste tipo", informou a Embraer.

    Mais:

    Justiça brasileira aceita pedido do PT e suspende acordo entre Embraer e Boeing
    Embraer e American Airlines assinam contrato para 15 jatos regionais
    Fusão entre Boeing e Embraer continua, diz Bolsonaro
    Embraer lança novos aviões executivos e promete mudar o mercado
    Vender Embraer para a Boeing fere soberania nacional, diz sindicalista
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar