23:18 14 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Notas de euro (imagem de arquivo)

    Plano da UE para desafiar domínio do dólar não funcionará sem Rússia, afirma economista

    CC0
    Economia
    URL curta
    4190
    Nos siga no

    A União Europeia elaborou recentemente um plano para desafiar o domínio do dólar nos mercados globais, mas essa estratégia não funcionará sem a participação da Rússia, observou o colunista da Sputnik Ivan Danilov.

    No dia 3 de dezembro, a Bloomberg informou ter obtido um documento da Comissão Europeia com um roteiro detalhado para a valorização do euro, acrescentando que o projeto seria apresentado por Bruxelas no final desta semana.

    "Há espaço para o euro desenvolver ainda mais seu papel global e atingir seu pleno potencial, refletindo o peso político, econômico e financeiro da zona do euro", diz o documento.

    É proposto no plano o uso do euro como moeda padrão nas transações de energia da UE com países terceiros, bem como a criação de uma referência para o petróleo denominada em euros. A intenção do bloco é de criar "uma gama completa de referências de taxas de juros confiáveis" nos mercados financeiros e "um sistema de pagamentos instantâneo totalmente integrado".

    Além disso, é citada no documento a retirada unilateral do presidente norte-americano, Donald Trump, do Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA), e a retomada das sanções contra o Irã, que acabaram atingindo os interesses das empresas do bloco europeu.

    Outro intuito do projeto é buscar uma alternativa ao sistema global de transferências financeiras, SWIFT, que, embora esteja localizado na Europa, é de fato subordinado aos EUA. No início do mês, o sistema de transferências desconectou as instituições financeiras iranianas, mesmo que os signatários do JCPOA, incluindo a UE, tenham reiterado seu compromisso com o acordo nuclear iraniano.

    "Embora as propostas não sejam uma legislação vinculativa, sua adoção potencial pela UE pode derrubar o mercado global de energia", alertou a edição.

    Segundo o analista Ivan Danilov, apesar de ser improvável que o plano seja implementado rapidamente, o documento está fazendo soar os alarmes nos EUA.

    Como a UE continua sendo a maior importadora de energia do mundo, a decisão do bloco de comprar hidrocarbonetos em euro, poderá ser um duro golpe para o dólar, de acordo com o economista.

    "O que há a sublinhar no grande projeto da Comissão Europeia é que o plano não funcionará sem a Rússia, o que significa que Paris e Berlim provavelmente terão que reduzir levemente seus impulsos antirrussos, porque precisarão da cooperação de Moscou nessa questão vital", destacou o analista.

    Danilov destaca que a Rússia continua sendo o principal fornecedor de energia para a União Europeia, e que as medidas referidas acima "criam as condições para a indústria de energia da Rússia mudar para transações na moeda europeia".

    "Se o teste e o plano forem bem-sucedidos, a União Europeia terá um improvável, mas importante, aliado nos seus esforços para reforçar o papel global de sua moeda comum", previu o analista Leonid Bershidsky da Bloomberg, que considera a transição para o euro uma parte abrangente do plano de desdolarização de Moscou.

    "A redução da 'zona do dólar' é nada menos que uma ameaça existencial para a economia e o sistema financeiro americanos", ressalta Danilov, ao comentar sobre a dura resposta que Washington poderá vir a dar.

    Mais:

    'Dólar se tornou arma para Estados Unidos', diz vice-chanceler iraniano
    Jornal americano destaca sucesso da Rússia na redução da dependência do dólar
    Será que Rússia conseguirá enfraquecer hegemonia do dólar?
    Impérios contra-atacam: Rússia, Índia e China abandonam o dólar
    Tags:
    desdolarização, plano, bloco econômico, mercados, domínio, euro, dólar, união europeia, Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), SWIFT, Donald Trump, Ivan Danilov, Europa, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar