06:04 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Barra de paládio (imagem de arquivo)

    Fim da era do ouro: paládio 'vence' corrida de preços impulsionado por alta demanda

    © Sputnik / Pavel Lisitsyn
    Economia
    URL curta
    1100

    O paládio superou o preço do ouro nas bolsas de valores, batendo o recorde em preço por onça nesta quarta-feira (5), escreveu a Bloomberg.

    Os futuros de paládio, metal obtido principalmente na Rússia e África do Sul, atingiram US$ 1.233,82 (R$ 4.783,1) por onça (uma onça equivale a cerca de 31 gramas), chegando bem perto do valor do ouro, segundo a edição.

    Mas hoje (5), o metal de transição do grupo da platina já estava sendo vendido por US$ 1.251,88 (R$ 4.854,51), enquanto uma onça de ouro ficou em US$ 1.236,29 (R$ 4.794,05).

    Uma maior demanda no setor de fabricação automobilística levou ao aumento dos preços deste metal industrial. Ele é principalmente usado em conversores catalíticos destinados à conversão de gases tóxicos emitidos em outros menos nocivos.

    A alta demanda, principalmente chinesa, favorecerá o aumento dos valores desse metal, pois Pequim se preocupa cada vez mais com problemas relacionados com a poluição ambiental.

    Por ser um metal raro, não será fácil fazer com que sua produção cresça rapidamente para atender à demanda do setor.

    O fornecimento do paládio depende da exploração e do investimento em outros metais, pois ele vem como um subproduto da mineração de níquel na Rússia e da extração de platina na África do Sul, que produzem juntas cerca de três quartos da oferta mundial.

    Mais:

    'Febre do ouro': por que bancos centrais estão comprando metal precioso em ritmo recorde?
    Misterioso objeto de metal cai em fazenda na Califórnia (FOTOS)
    Rússia está trocando títulos americanos por ouro, mas onde está armazenando o metal?
    Conheça o metal que está provocando nova 'febre do ouro'
    Tags:
    guerra de preços, bolsa de valores, produtores, demanda, ouro, metal, África do Sul, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik