18:33 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Cédulas de dólar e yuan

    Como a dívida chinesa em dólares pode ameaçar o mundo?

    © REUTERS / Jason Lee
    Economia
    URL curta
    3611

    A dívida chinesa em dólares pode causar uma crise terrível, disse o economista Kevin Lai do banco japonês Daiwa Capital Markets.

    Segundo ele, torna-se muito difícil cobrir a dívida em dólares nas condições de queda do yuan. Se a crise da dívida acontecer, será um desastre global.

    Não é de agora que as autoridades chinesas estão preocupadas com o volume de crédito excessivo do país. O nível de endividamento está próximo de 230% do PIB, o que é muito até para os países desenvolvidos. Essa preocupação se reflete na busca por uma política de redução do volume de créditos na economia. Como resultado, o nível de endividamento das empresas neste ano diminuiu em mais de 5 pontos percentuais. Na prática, isso mostra que o tamanho da dívida pode não ser um problema fatal se a China adotar medidas regulatórias oportunas para evitar o sobreaquecimento. 

    Mas o problema, observa o economista, é que uma parte significativa dos empréstimos é contraída em dólares. Os países do mundo acumularam dívidas no valor de US$ 12 trilhões (R$ 44,8 trilhões), dos quais US$ 3 trilhões (R$ 11,2 trilhões) recaem sobre a China. Isso aconteceu porque, durante muitos anos, os investidores e corretores chineses usaram a diferença nas taxas de juro da Reserva Federal dos EUA (FED, na sigla em inglês) e do Banco Popular da China (PBC). Eles pediam emprestado dólares baratos e depois os investiram em ativos altamente rentáveis em yuans, faturando assim com a diferença de spread. O esquema é simples e funciona bem desde que as condições nos mercados doméstico e internacional permaneçam inalteradas. Agora os tempos são outros. 

    A taxa do FED está crescendo mas o Banco Popular da China não se decide a aumentar proporcionalmente a sua. No contexto das contradições comerciais entre a China e os EUA, um aumento muito grande da taxa pode desacelerar ainda mais a atividade empresarial e reforçar a tendência de abrandamento do crescimento econômico. Por outro lado, a diminuição da diferença entre as taxas, aliada ao enfraquecimento da moeda chinesa, faz com que o pagamento das dívidas em dólares seja mais caro para as empresas chinesas. 

    "A situação está repleta de sérios riscos. Mas o fato de a China restringir o movimento de capital pode ajudar a evitar um colapso em larga escala", disse à Sputnik China o economista Bai Ming da Academia Chinesa de Comércio Internacional e Cooperação Econômica do Ministério do Comércio da China.

    Conforme observa Kevin Lai, o mais importante agora é evitar que a moeda chinesa caia mais. Um patamar aceitável é de 6,20 a 7 yuans por dólar. Se o yuan cair mais do que isso, será necessário vender ativos, o que colocará pressão adicional sobre a moeda chinesa. O vencimento dos títulos em moeda estrangeira de um número de empresas chinesas de construção civil, totalizando US$ 17,9 bilhões (R$ 66,9 bilhões), virá no próximo ano.

    Mais:

    Bolsonaro reduzirá pastas e criará superministério da Economia
    Pesadelo em Wall Street? Queda nas bolsas ameaça economia estadunidense
    Imprensa alemã destaca crescimento 'paradoxal' da economia russa
    Tags:
    yuan, economia, empréstimos, dívida, dólar, Banco Popular da China, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik