08:23 22 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Dólar com bandeira dos EUA de fundo

    Golpe no dólar: Irã e Coreia do Sul acordam comércio em suas moedas nacionais

    CC BY 2.0 / Images Money / Dollar
    Economia
    URL curta
    6320

    Seul e Teerã conseguiram chegar a um acordo para usar suas moedas nacionais no comércio bilateral, o que indica que ambos os países buscam fortalecer as relações apesar das sanções dos EUA contra Teerã, informaram as agências Yonhap e Irna.

    A Coreia do Sul e o Irã também concordaram em realizar transações bancárias e financeiras usando a moeda nacional sul-coreana, o won. Isso permitirá às empresas sul-coreanas e iranianas continuar suas vastas trocas comerciais em vários campos.

    O comércio bilateral sul-coreano-iraniano superou 12 bilhões de dólares (R$ 45 bilhões) no ano passado, revelou ao canal Press TV o embaixador iraniano em Seul, Saeid Badamchi Shabestari. 

    O diplomata sublinhou que as duas economias se complementam entre si e estão determinadas a aprofundar seus laços comerciais no meio das "ações unilaterais hostis e ilegais" dos EUA.

    Anteriormente, o embaixador sul-coreano em Teerã, Ryu Jeong-hyun, explicou que, embora muitas empresas europeias tenham abandonado o Irã sob pressão das sanções dos EUA, as empresas sul-coreanas estão cientes da importância do mercado iraniano e optaram por permanecer nesse país. 

    O Irã e seus parceiros comerciais têm vindo a negociar a redução da cota-parte do dólar em suas trocas comerciais em resposta às sanções dos EUA. A Rússia, a Turquia, a Índia, o Iraque, o Qatar ou a China, entre outros países, estão adotando medidas para realizar as transações comerciais em moedas nacionais e, assim, evitar a pressão de Washington.

    Mais:

    Substituto ao dólar? Rússia e África podem encontrar novas alternativas
    Dólar em decadência? Demanda por ouro sobe 42% em 2018, revela relatório
    Por que cada vez mais países querem abandonar dólar?
    Tags:
    dólar, moeda nacional, sanções, Coreia do Sul, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik