16:11 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Notas de euro, dólares americanos e de Hong Kong, libras e yuan chinês

    Economista americano prevê desvalorização drástica do dólar em 2024

    © REUTERS / Jason Lee
    Economia
    URL curta
    4120

    O dólar norte-americano cairá cerca de 40% em relação ao euro em 2024, assegurou Ulf Lindahl, gerente-geral da consultoria A.G. Bisset Associates LLC, citado pela agência Bloomberg.

    Desde a década de 70, o dólar vem repetindo o mesmo ciclo de lucros e perdas de 15 anos, e o mesmo padrão está acontecendo agora, explica o economista especializado em mercado de câmbio. 

    Segundo o especialista, uma queda substancial na moeda norte-americana terá enormes implicações para todos os mercados financeiros e que "o dólar deve cair simplesmente porque seguirá o ritmo das últimas quatro décadas".

    "Para alguns, a ideia de Lindahl pode parecer extravagante e sua explicação muito simples. Mas após a queda de 9% no ano passado e com a previsão de Ray Dalio da Bridgewater Associates sobre uma queda drástica do dólar, a opinião de Lindahl não pareceria tão distante da realidade", analisou Bloomberg.

    A queda do ano passado foi apenas o começo, pois em 2024 o preço cairá para chegar a dois dólares por euro e 75 ienes por dólar, representando uma queda de 41% e 33%, respectivamente, em comparação com o preço de setembro, de acordo com o economista. 

    A opinião citada difere das previsões de outros analistas que também foram consultados pela agência, que sugerem que o euro custará US$ 1,28 (R$ 4,7) em 2022.

    Mais:

    Venezuela abandona o dólar e vai passar a usar euro para transações internacionais
    Washington: Síria não receberá 'nem um dólar' para reconstrução enquanto não expulsar Irã
    Dólar na Argentina é cotado ao menor valor desde o final de agosto
    Tchau, dólar: analista geopolítico prevê fim do domínio do dólar em 20 anos
    Tags:
    iene, financeiro, mercados, câmbio, perdas, lucros, economista, desvalorização, dólar, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik