00:01 18 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Moeda de rublo em frente ao Kremlin, em Moscou

    Rússia torna-se menos dependente do petróleo e sanções, diz ministro das Finanças russo

    © AFP 2018 / Alexander Nemenov
    Economia
    URL curta
    6160

    A economia russa tornou-se menos dependente de fatores externos, como os preços do petróleo e as sanções, "apesar desse golpe duplo", disse o ministro das Finanças da Federação Russa, Anton Siluanov.

    "Posso dizer agora que nossa economia se tornou menos dependente dos preços do petróleo e menos dependente do impacto das sanções. Aprendemos a responder às restrições que foram introduzidas, começamos a desenvolver a nossa própria economia, nossa própria indústria e agricultura", disse Siluanov ao canal Rossiya-1.

    Além dos fatores citados acima, a independência também surgiu em termos das tecnologias que antes eram importadas do exterior.

    "E essa política irá continuar. Em nossas metas de desenvolvimento, ajudaremos as indústrias capazes de produzir produtos voltados para a exportação. Por outro lado, apoiaremos e apoiamos as empresas que poderão fabricar produtos que importávamos anteriormente", ressaltou.

    Anteriormente, Siluanov comentou que as autoridades russas estão trabalhando para evitar o uso do dólar no comércio exterior, passando a realizar as transações em euros, rublos e outras modas.

    "Vamos apresentar preferências fiscais, falaremos sobre o rápido reembolso do imposto sobre o valor acrescentado nas exportações", ressaltou o ministro.

    Mais:

    Tchau, dólar: analista geopolítico prevê fim do domínio do dólar em 20 anos
    Moeda única do BRICS poderia substituir dólar, afirma deputado russo
    Pôr fim à hegemonia do dólar: utopia ou realidade futura?
    Ásia e Europa tendem a diminuir dependência do dólar, diz porta-voz do Kremlin
    Tags:
    sanções econômicas, fiscal, independência, restrições, exportações, rublo, petróleo, Ministério das Finanças da Rússia, Anton Siluanov, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik