15:59 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Refinaria de petróleo (imagem ilustrativa)

    Ministro da Energia russo avalia possibilidade de nova crise petroleira global

    © REUTERS / Sergei Karpukhin
    Economia
    URL curta
    490

    Recentemente, o mercado de petróleo global entrou em uma zona de turbulência em meio às novas sanções estadunidenses contra o Irã, as guerras comerciais entre grandes economias e declarações mordazes de Donald Trump no Twitter. A Sputnik discutiu o aumento dos preços do petróleo e muitos outros temas com Aleksandr Novak, ministro da Energia russo.

    Nos últimos meses, os preços dos combustíveis têm crescido a ritmos acelerados, o que gerou bastantes preocupações e vasta repercussão na mídia. Entretanto, sublinha o titular da pasta, o "mercado gosta de silêncio e funciona sempre se baseando nos fatores fundamentais".

    Aiatolá Ali Khamenei fala em Teerã, Irã (arquivo)
    © AP Photo / Escritório do líder supremo iraniano
    "Já declarações fortes deixam o mercado nervoso, enquanto os participantes sempre reagem ou a favor do aumento ou da redução dos preços, dependendo daquilo que eles esperam destas declarações", explicou.

    Como exemplo disso, o ministro russo cita a decisão estadunidense de introduzir sanções contra Teerã a partir de novembro.

    "É, provavelmente, o fator mais importante hoje em dia. Os participantes do mercado não entendem como isso afetará [o mercado], podendo apenas supor que as sanções serão introduzidas na variante mais dura, não sabem como se comportarão os consumidores do petróleo iraniano, se eles continuarão a comprar a commoditie a despeito das sanções. Está acontecendo uma reação de cadeia de declarações, que é avaliada pelos atores do mercado, os quais, por sua vez, introduzem no preço os riscos de uma parte do petróleo iraniano poder abandonar o mercado", explica.

    Aliás, argumenta o ministro, se fazem propostas à OPEP de empreender medidas "artificiais", distorcendo o equilíbrio da demanda e oferta, com vista a aumentar a exploração para compensar a alegada redução da produção no Irã, embora essa ainda não tenha acontecido.

    "São todos estes fatores de incerteza que desinformam e desestabilizam o prognóstico da situação no mercado, por isso os contratos de futuros reagem de maneira muito ativa. Hoje em dia, os participantes do mercado, a meu ver, formam os preços não se baseando no equilíbrio da demanda e oferta e outros fatores fundamentais como o câmbio do dólar em relação a outras moedas, mas sim em intervenções verbais ou prognósticos de futuro nublado", diz o ministro.

    Ainda de acordo com ele, os preços no mercado continuam "voláteis" por causa dessa incerteza, que pode tanto aumentar quanto reduzir o preço do petróleo na sequência da decisão final quanto ao Irã.

    "Por isso, claro que tomar quaisquer decisões fundamentais a curto prazo para aumentar ou reduzir a exploração, a meu ver, é incorreto", adianta.

    Além disso, o ministro afirma que o lado russo conta com que as "sanções ilegais" contra o Irã não resultem na saída de todo o petróleo do mercado e já considera possíveis mecanismos de compensação para continuar com a cooperação bilateral.

    Ao falar das especulações sobre a possível repetição da crise que se deu há 45 anos, em 1973, quando uma série de países se recusou a exportar petróleo para os EUA e o Japão, o ministro se mostra cético.

    "Acho a probabilidade bem baixa, pois a situação hoje em dia é muito diferente: no total, o mundo produz 100 milhões de barris por dia, se fala sobre a possível exclusão de 2,7 milhões de barris. Há um potencial de crescimento da exploração e mecanismos de equilíbrio da demanda e oferta. Talvez o reequilíbrio leve algum tempo, mas, de qualquer maneira, a situação hoje é muito mais estável", conta.

    Mais:

    Pompeo: EUA põem fim ao Tratado de Amizade com Irã
    Netanyahu afirma que Irã tem armazém atômico secreto em Teerã
    Transações entre UE e Irã podem afetar negativamente o dólar?
    Tags:
    petróleo, mercado, sanções, OPEP, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik