02:33 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Pôr do sol sobre a plataforma de petróleo.

    Empresário chinês: EUA pararam fornecimento de petróleo à China em meio à guerra comercial

    © flickr.com/ Pete Markham
    Economia
    URL curta
    6106

    O fornecimento de petróleo de Washington a Pequim foi "completamente" interrompido em meio ao conflito comercial entre os dois países, informou Xie Chunlin, presidente da empresa China Merchants Energy Shipping, à agência de notícias Reuters.

    "Somos um dos principais transportadores de petróleo dos Estados Unidos para a China. Antes [da guerra comercial] tivemos um bom negócio, mas agora está completamente parado", disse Chunlin. 

    "Isso infelizmente aconteceu, a guerra comercial entre os EUA e a China. Certamente não é bom para os negócios de navegações", comentou.

    Washington começou a fornecer petróleo a Pequim há dois anos. Segundo a Administração de Informação Energética dos EUA, as exportações do "ouro negro" norte-americano para a China em 2017 superaram a oferta total para a Grã-Bretanha e Holanda, que ocupam o terceiro e quarto lugar em termos de importações de petróleo norte-americano. A China ficou em segundo lugar na lista, superada apenas pelo Canadá, enquanto Pequim correspondeu a cerca de 20% das exportações dos EUA. Além disso, para os chineses, o suprimento de petróleo de Washington a Pequim se resume a 3%.

    Conflito econômico

    A guerra comercial sino-americana começou após o aumento mútuo das tarifas alfandegárias entre os dois países, que entrou em vigor em 6 de julho deste ano. Os Estados Unidos estabeleceram uma taxa de 25% sobre as importações de 818 produtos da China, totalizando US$ 34 bilhões (R$ 132,6 bilhões) por ano. Como contramedida, Pequim impôs no mesmo dia uma taxa de 25% sobre as importações de bens norte-americanos.

    No final de setembro, as novas tarifas norte-americanas de 10% sobre produtos chineses entraram em vigor, no valor anual de US$ 200 bilhões (R$ 780,4 bilhões). A China, em contrapartida, impôs tarifas que variam de 5 a 10% sobre as importações dos EUA, alcançando US$ 60 bilhões (R$ 234,1 bilhões). O petróleo não está sujeito a essas taxas, mas as empresas chinesas decidiram até o momento se absterem das compras.

    Mais:

    Análise: China demonstra a EUA quem manda no mar do Sul da China
    Bloomberg relata fim da 'tirania' do dólar
    Segurança Interna dos EUA apela à população para evitar notícias da RT e Sputnik
    Tags:
    guerra comercial, tarifas, importações, petróleo, Pequim, China, EUA, Washington
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik