22:46 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Dólares norte-americanos e liras turcas

    Estudo revela moedas mais subestimadas e sobrevalorizadas do mundo

    © REUTERS / Dado Ruvic/Illustration
    Economia
    URL curta
    2130

    A moeda russa entrou na lista das três moedas mais subestimadas, segundo um estudo realizado por economistas do banco alemão Deutsche Bank.

    Os pesquisadores do Deutsche Bank usaram a metodologia de taxa de câmbio de equilíbrio comportamental, ou BEER (na sigla em inglês).

    Essa metodologia foi elaborada em 1999 pelos economistas Peter Clark e Ronald MacDonald e permite ver a discrepância entre a taxa de câmbio real e os indicadores macroeconômicos de um país, como a inflação ou a produtividade.

    Para avaliar a taxa de câmbio de uma moeda em relação à cesta de moedas, os pares de divisas são comparados entre si em função de seu peso no comércio externo. Ao fazê-lo, os economistas concluíram que a taxa de câmbio atual do rublo é 15% menor que sua taxa de câmbio real.

    Os analistas preveem o fortalecimento da moeda russa dos atuais 65 rublos por dólar para 60 rublos, informa a revista russa RBC.

    No total, os pesquisadores do Deutsche Bank avaliaram 31 moedas. Segundo seus cálculos, 10 moedas estão sobrevalorizadas e 21 estão subestimadas. Além do rublo, a lira turca, com 46,2% menos que seu valor real, e o peso colombiano, com 22,2%, estão na lista das três moedas mais subestimadas. Quanto ao real, a moeda brasileira também se encontra entre as subestimadas, ocupando o nono lugar na lista.

    A coroa tcheca, o won sul-coreano, o baht tailandês, o dólar norte-americano e o franco suíço estão entre as cinco moedas mais sobrevalorizadas. Por exemplo, o dólar está sobrevalorizado em 7% do seu valor real.

    Mais:

    Rússia impulsiona comércio em rublos e yuans com China para substituir dólar
    Analista: China não permitirá que yuan se desvalorize em relação ao dólar
    Tags:
    dólar, lira turca, real, Deutsche Bank, Rússia, Brasil, Turquia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik