17:10 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente russo Vladimir Putin e o presidente chinês Xi Jinping durante o encontro bilateral em Kremlin, Moscou, Rússia, maio de 2015

    Que influência terão sanções americanas na cooperação entre Pequim e Moscou?

    © Sputnik / Agência Fotohost
    Economia
    URL curta
    4140

    As sanções norte-americanas introduzidas contra a China não influirão nas relações entre Pequim e Moscou na esfera da cooperação técnico-militar, mas são um fundamento sério para elaborar medidas de resistência às tentativas de Washington de prejudicar as exportações militares russas, declarou à Sputnik o especialista Igor Korotchenko.

    Uma alta autoridade da administração norte-americana disse que os EUA tinham introduzido sanções contra os funcionários do Departamento de Desenvolvimento de Equipamentos da China e acrescentaram 33 pessoas e entidades russas, inclusive a empresa russa Rosoboronexport, à sua lista negra dos setores de Defesa e Inteligência da Rússia.

    A razão das sanções é a compra pela China de dez caças Sukhoi Su-35 4++ e sistemas de mísseis terra-ar S-400 à Rússia.

    "Do ponto de vista prático, considero que essas sanções não atingirão o desejo da China de manter a cooperação técnico-militar com a Rússia e até de comprar outros novos tipos de armas russas. Tanto os S-400, como o Su-35 são sistemas não apenas capazes de concorrer com as armas americanas, mas as superam significativamente em muitos parâmetros", disse ao serviço russo da Rádio Sputnik o editor-chefe da revista Defesa Nacional, Igor Korotchenko.

    Segundo ele, a China é um país independente. Os ataques dos EUA a Pequim farão apenas com que a China entre em conflito com os EUA em todas as direções.

    Os contratos referentes aos S-400 e Su-35 estão na fase final e serão concluídos em breve, explicou Korotchenko.

    O especialista supôs que os EUA esperavam que, depois da introdução das sanções, uma série de países parasse a cooperação com a Rússia na esfera militar.

    Obviamente, é um sinal sério para que Moscou analise a situação e elabore uma política de resistência a tais decisões dos EUA, disse o analista, acrescentando que a Rússia deve reforçar o apoio analítico e informacional da sua exportação militar, ou seja, acreditar apenas em sua própria informação analítica.

    Ele ressaltou que agora os especialistas militares russos e a imprensa internacional se orientam principalmente pelas avaliações da exportação dadas pelo SIPRI (Instituto Internacional de Estudos para a Paz de Estocolmo), o serviço de pesquisa da biblioteca do Congresso dos EUA e o Instituto de Pesquisas Estratégicas de Londres, que muitas vezes não são imparciais, sendo até hostis.

    As tensões comerciais entre a China e os EUA aumentaram acentuadamente em março, depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou as novas tarifas de importação sobre o aço e alumínio. Os EUA estão descontentes com o balanço comercial entre os dois países, visto que, segundo as avaliações de Washington, a China supera os EUA em 500 bilhões de dólares.

    Mais:

    Trump dá poderes ao Tesouro dos EUA para impor sanções contra Rússia
    Rússia usará sanções do Conselho de Segurança para combater Daesh no Afeganistão
    Trump diz 'não' às sanções contra empresas do gasoduto Nord Stream 2
    China ajudará Venezuela a resistir a sanções dos EUA
    Tags:
    guerra comercial, sanções econômicas, militares, Su-35, S-400, China, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik