22:27 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Wall Street

    Nos 10 anos da crise financeira de 2018, analista americano prevê sua repetição

    © AP Photo / Jin Lee
    Economia
    URL curta
    3130

    A crise financeira mundial de 2008, que no dia 15 de setembro completa 10 anos, pode vir a se repetir devido a uma dívida corporativa e soberana inflada, à perda de confiança dos investidores, bem como às empresas de nova vaga, que não conhecem os princípios de funcionamento do "mercado urso".

    Foi isso que afirmou à Sputnik o economista sênior da agência analítica Smith’s Research & Gradings, Scott MacDonald.

    Na madrugada do dia 15 de setembro de 2008, o banco Lehman Brothers, considerado na época o quarto maior banco de investimentos dos EUA, declarou sua falência e pediu a proteção aos credores. Este evento marcou a crise financeira mundial, que subsequentemente virou uma recessão global. Geralmente, seu surgimento é explicado por vários fatores, entre eles a ciclicidade do desenvolvimento econômico e a crise no mercado hipotecário dos EUA em 2007.

    MacDonald acredita que a crise pode vir a se repetir. "É triste, mas é um fato: haverá sempre outra crise. Nós, provavelmente, não iremos ver uma sequência de falências de bancos hipotecários e aquilo que se seguiu. Contudo, nós acumulamos uma grande dívida externa, a dívida soberana está crescendo tanto nos EUA, como no Reino Unido, Japão e Itália, e não tem como frear este processo", assinalou o analista.

    "Além disso, as corporações nos mercados emergentes acumularam grandes dívidas, e, quando as taxas sobem, estas ficam ainda mais pressionadas. O fator-chave para o crescimento do mercado é a confiança dos investidores. Agora mesmo esta confiança está baseada no crescimento rápido da economia norte-americana, em que acordos comerciais podem ser fechados e que os investidores continuarão financiando o déficit orçamental norte-americano", acrescentou Mcdonald.

    Não obstante, segundo ele, esta confiança pode ser abalada caso as "guerra comerciais fiquem fora do controle e a política de austeridade quanto às taxas do Sistema de Reserva Federal dos EUA complique o acesso ao financiamento, neste caso pode surgir a grave ameaça de uma nova crise, similar à de 2008", apontou o analista.

    "A próxima crise, provavelmente, será diferente, talvez seja relacionada às novas tecnologias e instituições financeiras não bancárias, muitas das quais são dirigidas por gerentes jovens ousados e corajosos, que nunca participaram de um verdadeiro mercado urso [mercado em baixa, com preços de ativos em queda e com o pessimismo onipresente se tornando autossustentável]", ressaltou.

    Mais:

    Mundo sem líderes arrisca 'sonambular' em nova crise financeira, adverte político
    Próxima crise financeira causará maiores tensões sociais em 50 anos, diz analista
    JP Morgan revela divisas mais seguras em caso de crise financeira mundial
    Tags:
    previsão, crise financeira, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik