00:32 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Bolsa de valores de Xangai.

    Mundo sem líderes arrisca 'sonambular' em nova crise financeira, adverte político

    © AFP 2018 / Greg Baker
    Economia
    URL curta
    231

    O mundo está correndo o risco de "sonambular na futura crise" financeira, avisou Gordon Brown, que foi primeiro-ministro do Reino Unido entre 2007 e 2010.

    Nos anos em que Brown esteve no cargo, a crise financeira global de 2008 causou uma recessão econômica nunca vista desde a Grande Depressão de 1929.

    "Vai ter de haver um violento despertar para a escalação de riscos, mas nós estamos em um mundo sem líderes", disse ‘o ex-premiê em entrevista ao jornal The Guardian.

    Gordon Brown esteve entre os líderes mundiais que liderou a iniciativa do G20 visando coordenar esforços para diminuir os danos da crise financeira global. Porém, ele advertiu que nos dias de hoje será mais difícil reduzir as taxas de juros do que antes e também duvidou que seja permitido aos ministros das Finanças cortar impostos ou aumentar os gastos públicos.

    "A cooperação verificada em 2008 nãos seria possível em uma crise pós-2008 em termos de bancos centrais e governos trabalhando juntos. Teríamos um exercício de partilha de culpas ao invés de resolver o problema", disse.

    O político também afirmou não haver garantias de que a China será tão cooperante como foi uma década atrás devido à iminente guerra comercial entre Pequim e Washington. "O protecionismo de Trump é a maior barreira para construir a cooperação internacional", indicou.

    Brown também lamentou que as multas para os prevaricadores no setor bancário não tivessem sido suficientemente duras.

    A crise de 2008 se desencadeou após a bolha hipotecária nos EUA ter explodido, com perdas nas bolsas de valores e no mercado imobiliário, afetando o sistema financeiro global.

    O ex-premiê não indicou a possível causa da próxima crise financeira, mas citou problemas nos mercados emergentes e um número arriscado de empréstimos concedidos por bancosparalelos na Ásia. 

    Brown também criticou as medidas de austeridade, que partiram da análise de que a recessão econômica global tinha sido causada pelos altos níveis de dívida pública e não pela negligência financeira. "Saímos da recessão em 2009 mas voltamos por volta de 2011. Porquê? A retirada do apoio do governo nos custou empregos e prosperidade, mas também nos custa a capacidade de reduzir o défice no longo prazo", concluiu.

    Mais:

    Analista: China não permitirá que yuan se desvalorize em relação ao dólar
    Rússia impulsiona comércio em rublos e yuans com China para substituir dólar
    Tags:
    recessão, crise de 2008, crise financeira, G20, Gordon Brown, Reino Unido, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik