11:59 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    País africano sedia fórum econômico sobre agronegócio com presença do ministro brasileiro da Agricultura

    Angola tenta impulsionar setor agrícola com ajuda do Brasil

    Paulo Filgueiras/ GERJ
    Economia
    URL curta
    2130

    O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, é aguardado em Angola para intensificar as relações com o principal parceiro do Brasil na África. Em entrevista à Sputnik Brasil, o professor de Relações Internacionais Jonuel Gonçalves, da Universidade Federal Fluminense, analisou a importância desses laços para os dois países.

    Maggi deve desembarcar no país africano, conforme relatou a mídia local, à frente de uma missão empresarial para analisar a formação de parcerias no domínio do agronegócio com representantes públicos e privados. Na capital, Luanda, ele participará de um fórum econômico sobre o setor, de iniciativa da Associação de Empresários e Executivos Brasileiros em Angola (AEBRAN), que terá como um dos objetivos apresentar a experiência do Brasil nesse seguimento. 

    Do ponto de vista angolano, o evento, segundo fontes nacionais, se enquadra no Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN 2018/2022), que tem como linha orientadora promover a diversificação da economia e reduzir a dependência do setor petrolífero. 

    De acordo com Gonçalves, especialista em países africanos, no que diz respeito às relações comerciais bilaterais, Angola se transformou em um grande mercado para o Brasil em, principalmente, dois níveis: o de bens de consumo, com a agricultura em primeiro lugar, e de serviços no domínio da construção civil. No entanto, em virtude dos inúmeros escândalos de corrupção envolvendo construtoras brasileiras, essa área de construção foi diretamente afetada.

    "No domínio dos bens de necessidade imediata, é claro que o mercado não sumiu. Então, o Brasil, já várias vezes, colocou à disposição de Angola linhas de crédito para Angola fazer aquisições no Brasil. E uma dessas linhas de crédito foi renovada agora, pouco depois do começo do ano, quando os presidentes João Lourenço e Michel Temer se encontraram na Suíça, no Fórum Econômico Mundial. E ficou claro que Angola iria utilizar esse novo crédito de 1,5 bi de dólares, fornecido pelo BNDES, na medida em que tem a sua agroindústria em crise, nesse setor no Brasil, que é competitivo", afirmou o professor.

    Nesse momento, ainda segundo o especialista, o Brasil aparece como "quinto parceiro nas importações angolanas", e, ao mesmo tempo em que se pensa na aquisição de bens de primeira necessidade, há também a perspectiva de uma atuação científica, com transferência de tecnologia, através da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que já teve uma presença mais forte no país africano.

    "É uma presença que, para Angola, interessa muito. Não só na tecnologia produtiva diretamente, mas, provavelmente, também — vamos ver as negociações — a nível do ensino. Angola tem um acordo com o Ministério da Educação do Brasil e pode entrar a agricultura nesse acordo, através de apoio ao Instituto de Agronomia...", destacou. 

    Mais:

    Rússia e Angola combinam criação do satélite AngoSat-2, diz fonte
    Militares de Angola 'invadem' cidade siberiana com objetivo inesperado (VÍDEO)
    Angola e Portugal em guerra na justiça: até onde podem ir apurações e jogo de interesses
    'Angola está comprando mais carne brasileira do que antes da Operação Carne Fraca'
    Tags:
    agropecuária, agronegócio, agricultura, AEBRAN, Blairo Maggi, Jonuel Gonçalves, Luanda, Angola, África, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik