21:41 20 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Nota de 100 dólares em chamas

    Como sanções estadunidenses minam hegemonia do dólar?

    CC0 / Pixabay
    Economia
    URL curta
    3121

    A política de sanções dos EUA pode fazer com que outros países criem um sistema financeiro alternativo, o que, por sua vez, levará ao fim da hegemonia global do dólar, declarou o diretor do Instituto para a Análise da Segurança Global em seu artigo para a CNBC.

    Segundo o analista, na sequência da introdução ativa de sanções e restrições comerciais, os EUA estão em guerra econômica com um em cada dez países do mundo, incluindo a Rússia, o Irã, a Venezuela, a China, a Coreia do Norte e outros. A população desses países supera dois bilhões de pessoas e seu PIB total é mais de 15 trilhões de dólares (R$ 62 trilhões).

    Além disso, os EUA incluem na "lista negra" milhares de pessoas próximas aos governos desses países, que atualmente estão isoladas do sistema financeiro global.

    Para resistir à pressão de Washington, os governos e empresários desses países já uniram forças para criar um sistema financeiro alternativo ao liderado pelo dólar. Se esse plano se tornar realidade, o domínio dos EUA no palco financeiro mundial será desafiado.

    Além disso, um dos principais fatores da liderança econômica dos EUA é o estatuto único do dólar como moeda de reserva a nível mundial. De acordo com Gal Luft, o futuro da divisa norte-americana será determinado nos mercados mundiais de commodities, especialmente nos de petróleo, que é vendido em dólares.

    Entre os opositores da política das sanções dos EUA estão muitos países exportadores de petróleo. Para eles, suas commodities não devem ser compradas e vendidas em dólares norte-americanos. Em particular, a China compra petróleo da Angola, gás da Rússia e carvão da Mongólia em yuanes, reduzindo, assim, as perdas com as operações cambiais. A Rússia, por sua vez, expressou seu desejo de realizar pagamentos em moedas nacionais com a Turquia, enquanto os países do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) planejam criar um sistema comercial sem a participação da moeda norte-americana. 

    Para o analista, serão realizados em breve vários "ataques" contra a hegemonia do dólar e o mercado da energia será o principal palco de batalha pela liderança global. A dívida pública crescente dos EUA pode acelerar esse processo.

    "Qualquer tentativa bem-sucedida de separar o mercado de commodities do dólar terá consequências com efeito dominó não apenas para o sistema econômico global que conhecemos, mas também para a postura dos EUA nos outros países", concluiu o analista.

    Mais:

    Guerra comercial 'matará' gás natural liquefeito americano?
    Trump: Alemanha é 'completamente' controlada pelo gás russo
    Petrolífera russa poderia participar da extração de gás e petróleo em Moçambique
    Tags:
    dólar, gás, petróleo, finanças, China, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik