00:08 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Vista do Kremlin de Moscou

    Bloomberg: Washington não pode 'colocar Rússia de joelhos' sem desencadear crise global

    © Sputnik / Aleksei Druzhinin
    Economia
    URL curta
    15333

    As possíveis novas medidas restritivas contra Moscou podem ter graves consequências para os próprios EUA, escreve o analista Leonid Bershidsky em seu artigo para a Bloomberg.

    Segundo o economista, se os EUA adotarem as sanções mais duras possíveis, eles podem vir a provocar uma crise energética e financeira global de grande escala, bem como perder seus aliados. 

    Durante a última audiência do Comitê Bancário do Senado, o senador republicano John Kennedy perguntou o que fariam os altos representantes da administração de Donald Trump, envolvidos na elaboração das sanções, se o presidente lhes ordenar "colocar a economia russa de joelhos".

    Os altos funcionários evitaram uma resposta direta, mas declararam que é necessário avaliar as consequências de medidas tão sérias e que as sanções existentes já são bastante "agressivas". Irritado, Kennedy insistiu: "Mas ainda não colocaram a economia de joelhos!".

    Sua frustração é compreensível, opinou Bershidsky. Os EUA já introduziram ou planejam introduzir diversas sanções em resposta às ações de Moscou, tais como "anexação da Crimeia", "apoio a rebelião pró-Rússia" no leste da Ucrânia, bem como os alegados ciberataques. Mas essas medidas restritivas não afetam a política do presidente russo Vladimir Putin. 

    O analista sublinha que as sanções norte-americanas causam alguns problemas para a economia russa, entre eles a queda dos investimentos estrangeiros diretos, o fechamento dos projetos energéticos, danos aos empresários russos e às suas empresas. 

    "Qualquer [país] gostaria que tais problemas fossem embora. Mas a postura firme da Rússia e a ausência de quaisquer passos de Putin que possam ser interpretadas como uma oferta de paz mostram que o Kremlin não está preparado para dar aos EUA motivos para recuar. Isso provoca a tentação de Washington de exercer uma pressão esmagadora. Mesmo que o governo Trump não queira fazê-lo, muitos legisladores querem", explicou Bershidsky.

    Entretanto, é de assinalar que a Rússia é o maior exportador de gás e um dos maiores produtores de petróleo. Sua expulsão do mercado global levará a uma crise energética. As sanções contra a dívida soberana russa, por sua vez, podem afetar os mercados financeiros e prejudicar os investidores, incluindo os norte-americanos.

    Além disso, o agravamento das medidas restritivas contra o setor energético e de alta tecnologia pode levar a medidas de resposta contra as empresas estadunidenses que atuam na Rússia. 

    Para o analista, tendo em consideração os índices macroeconômicos russos bastante positivos, entre eles a baixa taxa de desemprego e a inflação moderada, bem como as reservas internacionais no valor de 400 bilhões de dólares (R$ 1,64 trilhões), é pouco provável que a Rússia venha a sofrer um colapso econômico, mesmo que os EUA adotem as sanções mais duras possíveis.

    Mais:

    Reação em cadeia: crise global começará com colapso da lira turca?
    Bolívar vinculado à criptomoeda: nova ideia de Maduro para ultrapassar crise venezuelana
    Tags:
    setor energético, finanças, sanções, Bloomberg, Vladimir Putin, Donald Trump, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik