13:37 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldados chineses desfilam em Pequim

    Recurso trilionário: como China arruinará economia dos EUA?

    © REUTERS / cnsphoto
    Economia
    URL curta
    14537
    Nos siga no

    Pequim tem uma arma poderosa – um pacote de títulos do governo dos EUA no valor de US$ 1,2 trilhão (R$ 4,8 trilhões). Se a China começar a vender, a Casa Branca não poderá pedir dinheiro emprestado para estabilizar o orçamento.

    Além da Rússia, também a Turquia está se livrando dos títulos do governo dos EUA. Depois que as ações de Washington causaram o colapso da moeda nacional na república, Ancara vendeu esses títulos por quase US$ 4 bilhões (R$ 16 bilhões).

    Agora toda a atenção está voltada para a China, onde os danos da guerra comercial desencadeada pela Casa Branca chegam a centenas de bilhões de dólares.

    Rússia foi um exemplo

    As sanções de abril e as ameaças de desconexão da Rússia do sistema de pagamento internacional e de restrições às transações da dívida nacional russa levaram o Banco Central a tomar medidas decididas.

    Entre abril e maio, a Rússia vendeu 85% de sua carteira de títulos do Tesouro dos EUA: o regulador reduziu seu investimento no Tesouro para uns míseros US$ 15 bilhões (R$ 61 bilhões), embora no início do ano o valor deles ultrapassasse US$ 100 bilhões (R$ 407 bilhões). As relações entre Moscou e Washington continuam se deteriorando — em setembro, são esperadas novas restrições econômicas dos EUA, o que promete mais uma rodada de instabilidade na moeda russa.

    Paralelamente, os EUA desferiram um golpe contra a Turquia. Depois que Ancara recusou-se a libertar o pastor norte-americano suspeito de espionagem, Washington dobrou as tarifas alfandegárias sobre o alumínio e o aço de produção turca. Como resultado, em poucos dias a taxa de câmbio da lira desmoronou em mais de 25%, e desde janeiro a moeda nacional já desvalorizou em 40%.

    Turquia reduz investimentos em títulos

    "A depreciação da lira é, sem dúvida, um ataque claro e planejado conduzido pelo maior participante do sistema financeiro", disse o ministro das Finanças turco, Berat Albayrak.

    O Banco Central do país anunciou medidas de emergência, prometendo fornecer liquidez ao setor financeiro. Para isso o regulador aloca cerca de US$ 10,5 bilhões (R$ 43 bilhões) de reservas. Ao mesmo tempo, Ancara reduz sistematicamente os investimentos em títulos do Tesouro dos EUA.

    Venda geral

    Assim, a Rússia e a Turquia se retiraram do número de grandes detentores de dívida americana.

    A taxa de quitação desses títulos foi tomada por outros Estados. Em abril, o volume de títulos do Tesouro dos EUA em carteiras de credores estrangeiros caiu para US$ 6,17 trilhões (R$ 25 trilhões).

    México, Índia e Taiwan se estiveram livrando dos títulos do Tesouro, enquanto o segundo maior credor dos Estados Unidos, o Japão, reduziu seu investimento em US$ 17 bilhões (R$ 69 bilhões) para um mínimo desde outubro de 2011. Já a China, líder entre os credores dos EUA, reduziu o pacote em US$ 4,4 bilhões (R$ 17 bilhões).

    Atenção à China

    Quase 20% da dívida estadunidense pertencente ao estrangeiro estão nas mãos de Pequim, e quaisquer operações com quantidades maiores ou menores de títulos do Tesouro são perigosas para o sistema financeiro dos EUA e para o dólar.

    A guerra comercial entre Pequim e Washington está ganhando força. As taxas mútuas, que entrarão em vigor em 23 de agosto, complicarão as relações entre os dois países e poderão levar a perdas significativas para todo o comércio mundial. Em tal situação, a probabilidade de a China usar sua principal arma está aumentando.

    Nos últimos anos, os títulos dos EUA deram a Pequim bilhões de dólares em rendibilidade. No final de 2016 e início de 2017, os chineses reduziram seus investimentos na dívida pública dos EUA para compensar o fortalecimento do yuan, mas desde então eles já compraram de volta tudo o que foi vendido.

    A desaceleração econômica

    Se Pequim vender parte dos títulos da dívida dos EUA, seu valor cairá e a rendibilidade subirá acentuadamente. Isso aumentará automaticamente o custo dos empréstimos para os EUA, tanto para as empresas quanto para os consumidores comuns, o que prejudicará o crescimento econômico. A emissão de títulos de dívida se tornará um evento cada vez mais dispendioso para o governo dos EUA.

    "A economia começará a sentir febre em todos os lugares com altas taxas de juro, o que terá um poderoso efeito de desaceleração", diz Jeff Mills, estrategista-chefe de investimentos do PNC Financial Services Group.

    Se a China decidir suspender as compras ou vender um grande pacote de títulos dos EUA, o pânico total nos mercados é garantido.

    A taxa de câmbio do dólar diminuirá, o que prejudicará o mercado de exportação da China.

    Outra coisa é que, para desferir um golpe na economia dos EUA, Pequim só precisa cortar um pouco os investimentos no Tesouro. E, a julgar pelos retornos crescentes de títulos de dez anos, a China já está começando a usar essa alavanca.

    Mais:

    Líder Supremo do Irã pede ação legal rápida e justa para enfrentar 'guerra econômica'
    Guerra econômica na Venezuela tem dias contados, diz vice-presidente
    EUA estão prestes a travar 'guerra econômica' com um dos países mais pobres do mundo
    Ano de falência econômica e 3ª Guerra Mundial? O que Nostradamus predisse para 2018
    Tags:
    sanções, guerra comercial, moeda, colapso, vendas, títulos, economia, Casa Branca, Departamento de Tesouro dos EUA, Rússia, Turquia, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar