14:23 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Pessoas trocando dinheiro em uma casa de câmbio em Istambul, Turquia, em 13 de agosto de 2018

    Reação em cadeia: crise global começará com colapso da lira turca?

    © REUTERS / MURAD SEZER
    Economia
    URL curta
    8516

    As sanções dos EUA contra a Turquia causaram o colapso da lira turca, seguida por outras moedas de mercados emergentes, principalmente da América Latina, desvalorizando o real brasileiro e as moedas do México, Chile e Colômbia. O rublo russo, sofrendo baixas durante dois anos em meio a sanções dos EUA, ficou sob dupla pressão.

    Os analistas não excluem que a crise cambial na Turquia se alastrará aos mercados emergentes e, finalmente, causará um colapso financeiro global.

    Grande onda

    Desde o início do ano, a moeda turca se enfraqueceu em relação à dos EUA em 40%. A principal razão é o agravamento das relações com Washington. Depois que Ancara mais uma vez se recusou a libertar o pastor norte-americano Andrew Brunson, suspeito de espionagem, no início de agosto o Departamento de Estado impôs sanções econômicas sobre o alumínio e o aço.

    Como resultado, somente nos últimos dias a taxa cambial da lira desmoronou em mais de 25%. O Banco Central turco anunciou medidas de emergência, prometendo fornecer liquidez ao setor financeiro. Para isso o regulador planeja gastar cerca de US$ 10,5 bilhões (cerca de R$ 40 bilhões) em reservas.

    "A queda da taxa cambial da lira é, sem dúvida, um ataque claro e planejado conduzido pelo maior participante do sistema financeiro", disse o ministro das Finanças turco, Berat Albayrak.

    Enquanto as autoridades preparavam um plano de resgate, a moeda nacional continuou a cair, e somente no dia 14 de agosto recuperou parcialmente sua posição — a taxa subiu 6% depois de uma queda de 14% nos dois dias anteriores — após a declaração do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, sobre o boicote da Turquia aos produtos eletrônicos dos Estados Unidos. No entanto, a lira continua a ser negociada contra o dólar perto dos valores recordes mais baixos, e o colapso nesse meio tempo se espalhou para vários mercados emergentes.

    O rublo russo não foi exceção — mesmo antes dos eventos na Turquia e da subsequente fuga dos investidores das moedas arriscadas, o valor da moeda caiu ao mínimo no contexto do aumento das sanções dos EUA. E então, juntamente com outras unidades monetárias nacionais afetadas, encontrou-se sob poderosa pressão de uma onda de vendas em pânico. No dia 13 de agosto, no entanto, o rublo conseguiu ganhar vantagem — a única das moedas emergentes.

    Por quem começará a crise?

    O efeito dominó já pode ser sentido. Segundo os economistas, a situação atual nos mercados está bem dentro de um dos cenários mais prováveis para o surgimento de uma nova crise global, podendo ela ser provocada por divergências geopolíticas exacerbadas até o limite. A situação atual é muito semelhante ao que aconteceu há duas décadas e precedeu o colapso de 1998.

    Tudo começou na Ásia, quando o mercado acionário da Tailândia entrou em colapso, espalhando a crise para a Indonésia, Filipinas, Malásia e Coreia do Sul. Os investidores saíram maciçamente das dívidas arriscadas das economias emergentes.

    Agora, os economistas acreditam que a Turquia e a Argentina são uma ameaça — são os grandes países com maiores déficits em conta corrente e grandes dívidas externas.

    No entanto, nem todos os especialistas concordam que a situação na Turquia seja tão crítica para a economia mundial. O estrategista-chefe de câmbios do Saxo Bank, John Hardy, disse à Sputnik que o país turco tem apenas "algum impacto sobre outras economias emergentes vulneráveis, como a África do Sul", e que é improvável que cresça para algo maior — a menos, é claro, que por alguma razão cause um pânico em larga escala entre os investidores. O analista não vê tais razões porque nos últimos meses a lira atingiu repetidamente baixas históricas em relação ao dólar e ao euro.

    Menos sujeitos a default

    Embora os mercados emergentes sejam geralmente sempre os primeiros a sofrer com os processos globais negativos, os especialistas também apontam para outro fator que permitirá evitar o efeito dominó. Como foi demonstrado pela recente pesquisa de Harvard, as economias em desenvolvimento não são assim tão indefesas.

    O nível de default em 2011 foi relativamente baixo para um período de contração dos fluxos de capital, de acordo com os economistas Carmen Reinhart e Vincent Reinhart, da empresa de gestão de investimentos Standish Mellon, e Christoph Trebesha, do Instituto de Economia Mundial de Kiel, na Alemanha.

    Os países com um grande endividamento conseguiram transferir o pagamento de obrigações para as próximas décadas em termos mais favoráveis.

    Além disso, os países em desenvolvimento com maior risco se tornaram resistentes a apertos da política monetária reduzindo os déficits comerciais e orçamentários.

    Os analistas concluem: a crise em uma economia isolada não causará mais uma reação em cadeia. Os defaults soberanos se tornarão menos amplos, mais isolados e não causarão as consequências sistêmicas anteriores.

    Quanto ao rublo, a moeda russa estabilizou e os investidores fizeram uma pausa, mas apenas até o final de agosto. Em setembro, o rublo está aguardando outro teste — devido a novas restrições de Washington.

    O projeto de lei sobre as próximas sanções implica a proibição de operações com bancos estatais e investimentos em títulos de dívida do governo da Rússia.

    Mais:

    Tensões entre EUA e Turquia são muito sérias, afirma analista
    Retaliação: Turquia anuncia aumento de impostos sobre importações dos EUA
    Turquia vai boicotar materiais de construção dos EUA em resposta a sanções
    EUA não conseguirão fazer Turquia se ajoelhar, diz Erdogan
    Turquia está prestes a realizar novas operações militares na Síria, diz Erdogan
    Tags:
    financeiro, taxa de câmbio, sanções econômicas, rublo, lira turca, dólar, crise econômica, moeda, Banco Central, Recep Tayyip Erdogan, América Latina, Turquia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik