10:23 15 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Ouro

    NAFTA 'roubou' da economia mexicana mais recursos que colonialismo?

    © Sputnik / Alexander Liskin
    Economia
    URL curta
    616

    No México existe um monte de projetos relacionados à exploração de recursos naturais que ocupam ao menos 18% do território do país. Enquanto isso, 75% das empresas que se ocupam destes projetos ficam no Canadá.

    Apenas no período entre 2001 e 2017, as empresas transnacionais no México exploraram um volume de ouro que é duas vezes maior do que os espanhóis tinham tirado do México ao longo de 300 anos de colonização e metade da prata explorada pelos colonizadores, indica o livro do jornalista Jesús Lemus, "México a cielo abierto" (México a Céu Aberto, em espanhol), publicado no início do ano corrente.

    Este crescimento teve a ver com que em 1º de janeiro de 1994 os três países norte-americanos (México, EUA e Canadá) firmaram o acordo de livre comércio, NAFTA.

    "Junto com o NAFTA, entrou em vigor uma lei que concedeu às empresas de exploração mineira a liberdade total e preferências em relação a qualquer outra produção", disse à Sputnik Mundo a ativista mexicana Ivette Lacaba.

    A partir daquele momento, foram concedidas 22 mil concessões para 1.400 projetos de exploração de recursos mineiros.

    Lacaba explicou à Sputnik que, nesse respeito, aconteceu uma mudança na forma da exploração de minas. Agora, não são túneis, mas minas a céu aberto. A forma aberta de exploração consiste em que a terra é dinamitada e se abre uma cratera, de onde o minério se extrai em concentrações baixas.

    "Se extrai muito ouro e prata, mas de minas esgotadas ainda na época do colonialismo e onde os metais se extraem do minério. Uma mina de túnel não é a mesma coisa que a céu aberto: a última tem um impacto muito maior no meio ambiente, já que nela se usa muita água e cianeto ou mercúrio para a lixiviação do ouro e da prata", explicou.

    A lixiviação é um processo químico altamente tóxico que ajuda o metal a se separar da rocha.

    "Há dados sobre que ao longo destes anos foi extraído mais minério do que na época colonial, o que pode ser correto devido ao modo de explorar as jazidas. Porém, isso não pode ser provado na prática, porque hoje em dia não se controla quem extraiu e quanto", especificou a ativista.

    O mecanismo instalado no México com o fim de controlar as empresas de extração mineira consiste no seguinte: se baseando em sua própria declaração sobre o volume do minério extraído se calcula quanto dinheiro devem pagar. Mas de fato ninguém controla a veracidade destas declarações.

    Desde 2014, essa produção foi taxada com 7,5% de imposto sobre o material extraído. Ademais, as empresas podem descontar dele as suas despesas operacionais, por isso o valor final não é muito alto.

    "Falamos que isto é um roubo a céu aberto, porque é tão barato que fica vantajoso obter 0,4 ou 0,3 gramas de metal precioso por uma tonelada de rocha rebentada", resume Lacaba.

    Quando López Obrador se tornou novo presidente do México, apareceu uma esperança que o problema pudesse ser resolvido. Entretanto, as declarações feitas por Alfonso Romo, futuro coordenador do gabinete, que o México viraria "um paraíso para investimentos privados", voltou a baixar as cabeças dos ativistas.

    Mais:

    Alerta: humanidade esgotou em 7 meses recursos naturais do ano inteiro
    Terra não é limite para Rússia: cientistas pretendem extrair recursos no espaço
    Recursos com destino incerto: começa leilão dos barris do pré-sal na Bolsa de Valores
    Tags:
    prata, ouro, minas, recursos naturais, colonização, Nafta, Canadá, México
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik