04:27 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Pôr do sol sobre a plataforma de petróleo.

    4 rotas-chave para o comércio do petróleo

    © flickr.com/ Pete Markham
    Economia
    URL curta
    1101

    A crescente tensão entre os EUA e o Irã, juntamente com a ameaça de fechar o estreito de Ormuz, mantém o mundo do petróleo em suspense. Quase dois terços do comércio mundial de petróleo viajam por rotas marítimas. Quais são os quatro lugares-chave que determinam a dinâmica do mercado?

    Estreito de Ormuz, a 'arma' do Irã

    Esse ponto movimenta cerca de 19 milhões de barris por dia, segundo dados da Administração de Informação sobre Energia dos EUA (EIA, na sigla em inglês). Através deste estreito passam exportações de petróleo do Irã, Kuwait, Bahrein, Qatar, Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita.

    O presidente do Irã, Hassan Rohani, deu a entender que, se seu país não exporta petróleo através do Golfo Pérsico, outros países do Oriente Médio tampouco poderão fazê-lo. No início de julho, a Guarda Revolucionária Islâmica do Irã ameaçou fechar o estreito de Ormuz e interromper o transporte de petróleo após as sanções de Washington contra Teerã.

    Estreito de Malaca, a chave para a China

    Está localizado entre Indonésia e Malásia e por ele passaram 16 milhões de barris por dia em 2016. Por ligar os oceanos Índico e Pacífico, é a principal rota do Oriente Médio para chegar com seu petróleo aos mercados asiáticos.

    Tem apenas 2,7 km de largura em seu ponto mais estreito, "criando um gargalo natural com potencial para colisões, aterramento ou vazamento de óleo", segundo a EIA.

    A China, sendo a principal importadora de petróleo do mundo, tem interesse estratégico para que o tráfego ao longo do estreito não seja interrompido.

    Canal de Suez e o oleoduto SUMED

    Localizado no Egito, o canal de Suez é outra rota-chave. Juntamente com o oleoduto SUMED, que liga o Mediterrâneo ao mar Vermelho, eles representam aproximadamente 9% do petróleo diário mundial, ou seja, 5,5 milhões de barris por dia. A maior parte vai do Oriente Médio para a Europa.

    O oleoduto SUMED é a única rota alternativa para transportar petróleo bruto do mar Vermelho para o mar Mediterrâneo, caso os navios não possam navegar pelo canal de Suez por causa de seu tamanho.

    Estreito de Bab el Mandeb

    Passa entre a África e o Oriente Médio ligando o mar Vermelho ao golfo de Aden. Embora não chegue a cinco milhões de barris por dia, sua importância corresponde ao fato de ser o ponto prévio de todo o petróleo que passa pelo Canal de Suez e pelo oleoduto SUMED. Seu potencial bloqueio desempenha um papel decisivo na guerra do Iêmen.

    Esses quatro pontos representam as áreas mais importantes para o comércio de petróleo, tanto para o tráfego diário de petróleo bruto quanto para seu peso geopolítico. Uma interrupção em qualquer dessas rotas marítimas poderia causar um aumento significativo no preço do barril.

    Mais:

    Irã adverte EUA contra o bloqueio de petróleo e diz querer restaurar relações com sauditas
    Triângulo amoroso: petróleo venezuelano é pago com arroz brasileiro bancado pela China
    Explosão atinge depósito de petróleo no centro do Irã
    Quem pode afastar a Rússia do setor de petróleo e gás na Síria?
    EUA adotarão sanções contra Rússia, China e Europa por importação de petróleo iraniano
    Tags:
    área estratégica, rota marítima, Irã, EUA, petróleo bruto, óleo, petróleo, Administração de Informação Energética dos Estados Unidos, Canal de Suez, Estreito de Malaca, Estreito de Ormuz, estreito Bab el Mandeb
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik