20:25 21 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Cédulas de dólar e yuan fotografadas em Pequim (arquivo)

    Guerra de moedas: que ameaça enfrentam os mercados mundiais?

    © REUTERS / Jason Lee
    Economia
    URL curta
    481

    O mundo parece estar à beira de uma guerra de divisas. A isso, segundo a agência Bloomberg, se refere a publicação do presidente norte-americano, Donald Trump, no seu Twitter em que acusa a China e UE de manipular as suas divisas e taxas de juro.

    "China, União Europeia e outros tem manipulado as suas divisas e taxas de juro, enquanto os EUA está aumentando as taxas enquanto o dólar se torna cada vez mais forte cada dia — reduzindo desta maneira a nossa grande vantagem competitiva. Como de costume, não são condições iguais", enfatizou Trump no Twitter:

    ​Estes comentários vieram depois de o yuan ter caído até os níveis mais baixos registrados neste ano e depois da desvalorização do euro.

    Como regra, as empresas orientadas a exportar os seus bens ao exterior influenciam de uma maneira negativa o aumento da taxa de câmbio da divisa nacional, levando em conta que o seu crescimento aumenta os preços de produtos exportados e reduz o volume de vendas. Tudo isso ao mesmo tempo causa a redução de produção.

    Segundo a Bloomberg, a medida em que as economias maiores do mundo se estão balanceando a bordo de uma guerra comercial, as consequências do seu início podem ir mais além e afetar não só as divisas da China e EUA, mas também o mercado de valores, petróleo e mercados emergentes.

    O economista principal do Instituto das Finanças Internacionais, Robin Brooks, considera que a desvalorização do yuan que ocorreu em 2015, oferece um bom modelo de como poderia ser uma futura expansão do mal-estar nos mercados.

    Segundo Brooks, os ativos de risco e preços de petróleo poderiam cair, despencando em relação ao câmbio de divisas, tais como o rublo russo, peso colombiano ou ringgit malaio. Posteriormente, essa onda de colapsos vai afetar o resto da Ásia. Entretanto, Brooks opina que os mercados emergentes da Ásia podem sofrer grandes perdas nos próximos seis meses.

    Com tudo isso, é provável que o dólar estadunidense continue se desvalorizando, levando em conta que os investidores estão fechando as posições compridas da moeda.

    O termo posição comprida se entende como a compra de um ativo financeiro com a previsão de que este possa subir no valor no futuro.

    Mais:

    Pressão externa ou fatores internos: o que levou aos problemas econômicos do Irã?
    Venezuela confia à Turquia seu ouro: mais um passo para colapso do dólar
    EUA: 'Estamos agora em jogo de soma zero entre a China e o resto do mundo'
    Tags:
    taxa de juros, yuan, divisas, rublo, dólar, Donald Trump, União Europeia, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik