14:23 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Sinal de Hollywood

    Guerra comercial travada por Casa Branca pode abalar até Hollywood

    © AFP 2018 / Robyn Beck
    Economia
    URL curta
    13100

    A indústria cinematográfica norte-americana na China está ameaçada: o maior e mais crescente mercado do mundo pode logo abrir mão da produção de Hollywood. Os especialistas entrevistados pela Sputnik frisam que em um futuro próximo a cota para os filmes estrangeiros na China será revisada e, pelo visto, não será em vantagem dos EUA.

    Em 2017, os cinemas chineses ganharam 55,9 bilhões de yuans, ou seja, 33,46 bilhões de reais. Em relação ao ano de 2016, os respectivos lucros aumentaram 22,3%. Entre os filmes estrangeiros mostrados na China, a parte leonina é de produção estadunidense.

    Atualmente, os especialistas de Hollywood prognosticam perdas potenciais para a indústria norte-americana relacionadas com o agravamento da guerra comercial com a China, comunica a edição Newsweek. As cotas para os filmes podem ser uma das respostas de Pequim às tarifas impostas pela administração do presidente Trump, assegura a mídia.

    "A guerra comercial entre a China e os EUA pode influir, sem dúvida, nas relações econômicas e comerciais entre os dois países, afetando também outras esferas, tais como a indústria cinematográfica, particularmente influenciar de modo negativo a divulgação de filmes norte-americanos na China", disse à Sputnik China o famoso crítico cinematográfico, Wu Jiang.

    "Hoje em dia, na China está estabelecida uma cota anual de 34 filmes estrangeiros. Esta cota foi aprovada em 2012, como resultado de negociações entre Xi Jinping [líder chinês] e Joe Biden [ex-vice-presidente dos EUA no governo Obama], por um prazo de cinco anos. No futuro breve, essas mesmas condições devem ser revisadas. Devido à guerra comercial, há hipótese de que o número de filmes norte-americanos apresentados nos EUA seja reduzido", adiantou.

    Já o diretor do centro de pesquisa de informações e comunicação social da Academia Chinesa de Ciências Sociais, Zhang Shuhua, frisa que com suas medidas restritivas os EUA estão prejudicando apenas a si mesmos.

    "A administração Trump começou uma guerra comercial com todo o mundo, provocando caos na economia mundial. Devemos tratar isso de modo muito sério. Ao longo dos últimos anos, o balanço no campo da produção cultural está sofrendo um déficit no que se trata das trocas com os EUA e outros países. Ao mesmo tempo, os filmes norte-americanos contam com mais de metade dos lucros totais dos cinemas chineses, o que faz os norte-americanos ganharem grandes lucros", sublinhou.

    Dado que o mercado cinematográfico chinês é o que cresce com maior ritmo no mundo, qualquer produtor sonha entrar nele. Assim, caso os EUA percam seu lugar lá, os cineastas estrangeiros ganharão oportunidades inéditas.

    De acordo com Wu Jiang, recentemente os espectadores chineses têm estado mais interessados em filmes de produção nacional, e a redução do número de filmes norte-americanos pode incentivar ainda mais esse interesse.

    Entre outros atores que podem ganhar grande peso no mercado chinês, o especialista enumera os produtores cinematográficos russos.

    "Basta relembrar como, logo após o início da política de reformas e abertura na década de 80, a China foi inundada pelo boom da animação japonesa, surgiram as telenovelas latino-americanas, e mais tarde — os dramas coreanos. Agora é a hora certa para agir. Os norte-americanos prejudicam a si mesmos por tolice, e os russos voltam a ganhar confiança em si mesmos e fazem ressuscitar a sua cultura", observa Zhang Shuhua.

    Mais:

    Afinal, guerra comercial entre EUA e China será boa ou ruim para o Brasil?
    China: novas tarifas dos EUA são 'terror psicológico'
    China adverte que tarifas dos EUA afetarão cadeias de fornecimento globais
    Tags:
    guerra comercial, tarifas, Cinema, Hollywood, Xi Jinping, Donald Trump, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik