20:03 18 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Moeda de rublo em frente ao Kremlin, em Moscou

    Senador americano reconhece ineficácia das sanções contra Rússia após visitar Moscou

    © AFP 2018 / Alexander Nemenov
    Economia
    URL curta
    7162

    O senador norte-americano Ron Johnson, que recentemente fez uma visita à Rússia, afirmou que as sanções de Washington contra Moscou não têm qualquer efeito, escreveu o jornal Washington Examiner.

    Um grupo dos senadores e congressistas chegou à Rússia no dia de 30 de junho. Nesta terça-feira (3), o chanceler russo, Sergei Lavrov, recebeu a delegação, além disso, os políticos norte-americanos tiveram um encontro com deputados russos.

    "Vocês empreendem algo e nunca ninguém se senta para analisar: 'Será que isso funciona?'", citou a edição as palavras do senador.

    Johnson assinalou que as sanções não têm o efeito econômico devastador que se pensava terem, ao menos, em relação a Moscou. 

    "E acho que seria difícil dizer que as sanções contra a Rússia estão realmente funcionando muito bem", afirmou o senador. 

    Enquanto isso, o político opinou que a Rússia tenciona reestabelecer sua influência que possuía na época da URSS, e caso alguém queira impedi-lo, é preciso uma contraposição a isso, "contudo, tal não significa que devamos ser adversários", indicou.

    As relações entre a Rússia e os países ocidentais se deterioraram em meio aos eventos na Ucrânia e em torno na península de Crimeia. O Ocidente, acusando Moscou de interferência, introduziu sanções contra o país. Por sua vez, a Rússia impôs medidas retaliatórias e iniciou uma política de substituição de importações, afirmando repetidamente que "falar com o país na linguagem das sanções é totalmente improdutivo". 

    Mais:

    UE amplia sanções econômicas contra a Rússia até 31 de janeiro de 2019
    Irã diz que sanções de Trump são um 'tiro no pé dos EUA'
    Irã arranja forma de contornar as sanções de Washington
    Tags:
    eficácia, sanções econômicas, Ron Johnson, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik