14:45 23 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Barras de ouro

    Por que Rússia e Turquia se livram dos títulos do Tesouro dos EUA e optam pelo ouro?

    © Sputnik / Oleg Lastochkin
    Economia
    URL curta
    3251

    A intenção da Rússia e da Turquia de se livrarem dos títulos do Tesouro norte-americano e investirem em ouro pode ser um sinal de uma mudança global, escreveu o analista russo Leonid Bershidsky em seu artigo no jornal Bloomberg.

    Esta estratégia poder estar relacionada tanto à aplicação de uma agenda política como a uma tendência geral no mundo, opina o colunista. Desde 2017, a Rússia reduziu para metade o volume de seus recursos financeiros investidos em títulos norte-americanos, para 48,7 bilhões de dólares (R$ 185 bilhões), aumentando, ao mesmo tempo, suas reservas de ouro.

    "Não é apenas uma conduta habitual de um país que tem de combater uma incrível política de sanções dos EUA, mas é parte de uma tendência geral através da qual os governos estrangeiros e as organizações internacionais diminuem seus investimentos na dívida norte-americana", disse Bershidsky.

    A Turquia — cujo presidente, Recep Tayyip Erdogan, considera que o Ocidente quer castigar o país por sua política de fortalecimento da soberania — reduziu seus recursos financeiros investidos em títulos norte-americanos em 38% desde outubro de 2017. Atualmente, Ancara mantém apenas 38,2 bilhões de dólares (R$ 148 bilhões) em títulos norte-americanos.

    Não é de esperar que o mundo continue investindo na dívida dos EUA nos níveis anteriores, independentemente da política que Washington aplica e do potencial econômico que o país tem. “A mudança de preferências da Rússia e da Turquia pode ser um sinal de mudanças globais ainda maiores", sublinhou o autor do artigo.

    Bershidsky acredita que os EUA podem continuar se contentando com o fato de os volumes de investimentos estrangeiros em títulos do Tesouro dos EUA estarem subindo. Entretanto, Washington tem várias razões para se preocupar com o domínio do dólar nas reservas cambiais estrangeiras de outros países.

    Segundo o Conselho Mundial do Ouro, a parte de títulos do tesouro dos EUA nas reservas de outros países caiu de 28,1% em 2008 para 25,4% em 2018, enquanto a percentagem de ouro não mudou e continua representando 11%.

    O analista sublinhou que os governos e bancos centrais de vários países mostram cada vez menos interesse pelos títulos do Tesouro dos EUA e apostam no ouro, porque não querem inflar a dívida pública norte-americana. Além da Rússia e da Turquia, a Bielorrússia e o Cazaquistão também fazem parte desse grupo.

    Bershidsky considera que essa mudança de preferências ocorre devido ao fato de a atual dívida pública dos EUA crescer mais rápido que as reservas de ouro e outras moedas globais.

    Nos primeiros três meses de 2018 os bancos centrais de vários países compraram 116,5 toneladas de ouro. São os maiores volumes desde 2014 e superam em 42% as aquisições desse metal precioso feitas no primeiro trimestre de 2017, concluiu o jornalista.

    Mais:

    Venezuela anuncia possuir quarta maior mina de ouro do mundo
    Depois do Petro, Nicolás Maduro agora quer criar nova criptomoeda lastreada em ouro
    Defesa antiaérea: Turquia ergue 'Cúpula de Ouro' na fronteira da Síria
    Tags:
    finanças, reserva, dólar, Donald Trump, EUA, Turquia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik