01:31 21 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    O senador Aloysio Nunes preside sessão extraordinária para votar medidas provisórias

    Ministro acredita em acordo entre Mercosul e UE antes da eleições

    © Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil
    Economia
    URL curta
    223

    O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, disse nesta quarta-feira que o acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia pode ser fechado antes das eleições presidenciais.

    Durante audiência pública na Câmara dos Deputados, Nunes revelou que ainda existem pelo menos 50 dos 300 pontos de divergência entre o Mercosul e a União Europeia, informou Agência Brasil.

    "Estamos pouco a pouco afastando os obstáculos. Já fizemos várias rodadas técnicas e encerramos na semana passada mais uma rodada de negociações. Eu tenho expectativa de que possamos concluir isso este ano, e o mais cedo possível, porque daqui a pouco haverá eleições na Europa e no Brasil", afirmou o ministro.

    Colheita de soja no Brasil.
    Fotos Públicas / Palácio Piratini / Camila Domingues
    Questões no setor automotivo, na área de propriedade intelectual, em especial sobre regras de patentes de medicamentos, indicações geográficas e serviços marítimos seriam os principais pontos de contenda entre os blocos. 

    A regulação das exportações de açúcar e de carne também continua sendo um tema problemático.

    Aloysio Nunes, no entanto, acredita que o cancelamento do acordo entre a União Europeia e os Estados Unidos, por meio da Parceria Transatlântico, entre outros fatores, pode favorecer a aproximação do bloco europeu com a América do Sul.

    O ministro lembrou que o acordo, que está sendo negociado há 18 anos, foi retomado com intensidade nos últimos dois anos.

    Mais:

    Agora vai? Mercosul vê acordo próximo com a UE e anúncio pode sair na próxima semana
    Aviso aos familiares: casamento Mercosul-UE fica (talvez) para 2018
    Acordo entre Mercosul e UE 'tem os componentes do antigo pacto colonial', dizem analistas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik