08:22 24 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Comissão da União Africana Moussa Faki Mahamat, à esquerda, posa ao lado do ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Wi, à direita. Encontro aconteceu em Pequim, no dia 8 de fevereiro de 2018.

    África pode abandonar o dólar a favor do yuan?

    © AP Photo / Greg Baker
    Economia
    URL curta
    6170

    Os países da África Oriental e Meridional podem optar pelo yuan chinês como moeda de reserva. Este foi o assunto debatido no decorrer de um fórum que teve lugar na capital de Zimbabwe, Harare, do qual participaram representantes africanos de alto escalão.

    Os presentes chegaram à conclusão de que, em meio à desaceleração dos ritmos de crescimento no mundo, bem como devido à mudança de equilíbrio de poderes no comércio internacional, os países africanos têm que apostar na China e na sua moeda. 

    De fato, a dívida pública dos países africanos, expressa em moeda estrangeira, está aumentando. Enquanto isso, quase todos os países da região têm créditos concedidos pela China. Além disso, o país asiático é o maior parceiro comercial de mais de 130 países e regiões. Os países da África podem tirar proveito de um novo modelo de comércio internacional. Por estes motivos é economicamente vantajoso para eles pagarem as dívidas em yuanes, uma vez que o yuan já se tornou uma "moeda comum" no comércio exterior com a África.

    A China tem se tornado um país importante para a África. De acordo com a Universidade de Boston, no ano passado, um terço de todos os investimentos chineses no setor energético foi destinado à África, o que correspondeu a US$ 6,8 bilhões (R$ 25 bilhões). Desde 2000, a China investiu neste setor africano US$ 34,8 bilhões (R$ 129 bilhões). Há motivos para pensar que agora a China está mudando suas prioridades de investimento, optando pela África. 

    Por sua vez, os países africanos reagiram ao crescimento da presença chinesa na economia da região. Em 2016, de acordo com os dados da SWIFT, o volume de pagamentos expressos em yuan no Sul de África cresceu 65%. 

    Com a inclusão da moeda chinesa na cesta de Direitos Especiais de Saque (DES, na sigla em inglês), a maior parte dos países africanos transferiu uma parte de suas reservas financeiras para yuanes. Alguns países, como por exemplo, o Zimbabwe e Angola, reconheceram o yuan como o meio de pagamento legítimo. 

    Além disso, os acordos firmados com vários países africanos com a China permitem aos bancos africanos usarem a moeda chinesa em vez do dólar norte-americano, explicou à Sputnik China Liu Ying, professor do Instituto de Estudos Financeiros Chunyang da Universidade Popular da China.

    "Na África o yuan é amplamente utilizado. Primeiro, no que se refere aos pagamentos comerciais. Segundo, na área dos investimentos e mercados financeiros, especialmente à luz do recente lançamento de contratos futuros expressos em yuanes […] onde o yuan pode ser utilizado como meio de pagamento. Terceiro, as reservas internacionais dos países africanos também podem ser formadas em yuanes, além de dólares", assinalou.

    Além disso, segundo Liu Ying, o yuan é uma moeda mais segura do que o dólar.

    "Em meio ao crescimento de juros e ao efeito do programa de normalização do balanço do Sistema de Reserva Federal dos EUA, a fuga de dólares se torna uma situação inevitável. Agora, em vários países africanos é registrado um défice de dólares. Sendo assim, optar-se pelo yuan é uma medida lógica e oportuna para a África. O yuan é uma moeda muito estável, capaz de assegurar  apoio e segurança quer nos pagamentos comerciais, quer nos investimentos financeiros ou na criação de reservas", destacou o professor.

    As autoridades chinesas procuram internacionalizar o yuan. Sendo assim, a sua estabilidade é um forte argumento a favor do desenvolvimento deste processo. Por outro lado, tal estabilidade é apoiada de forma artificial graças às limitações bastante rígidas por parte dos reguladores chineses quanto à fuga de capital do país. Embora o yuan seja incluído na cesta de DES, a moeda não pode ser qualificada como livremente convertida devido a estas limitações. 

    A internacionalização do yuan é impossível sem a mitigação das ditas restrições. Contudo, não está claro como a moeda do país asiático vai se comportar após o seu possível cancelamento. Além disso, o crescimento da demanda internacional de yuan e seu reforço levarão ao défice da balança comercial chinesa. 

    Entretanto, o analista não vê uma grande ameaça deste processo para a economia. 

    "Acredito que o yuan não irá se reforçar, mas sim, estabilizar. O mais importante agora é apoiar a estabilidade. No que se refere às exportações, elas não dependem plenamente da taxa de câmbio. Ultimamente, temos tido volumes de exportações bem suficientes".

    A internacionalização do yuan está decorrendo de forma bastante rápida. De acordo com o Banco Central da China, no fim de 2017, mais de 60 países estavam utilizando o yuan na qualidade de moeda de reserva. Vale destacar que o yuan vem reforçando suas posições não somente na África. O Banco Central Europeu investiu €500 milhões (R$ 2,1 bilhões) de suas reservas em ativos expressos em yuanes. É provável que o volume de transações internacionais feitas em yuanes cresça também por todo o mundo.

    Mais:

    Rússia estabelece seu 'baluarte econômico' na África nas próximas décadas
    China 'desbrava' África desafiando EUA?
    Especialista: China está ganhando luta pelo domínio na África
    Tags:
    dólar, yuan, China, África
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik