01:00 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira da China exibida ao lado da bandeira dos Estados Unidos no complexo da Casa Branca, em Washington (arquivo)

    EUA e China decidem aumentar cooperação comercial

    © AP Photo / Andrew Harnik
    Economia
    URL curta
    758

    Os Estados Unidos e a China concordaram em adotar medidas efetivas para reduzir o déficit comercial dos EUA, o que implicará no aumento da importação de produtos norte-americanos por Pequim.

    "Houve um consenso em tomar medidas eficazes para reduzir substancialmente o déficit comercial dos EUA com a China", diz a declaração conjunta divulgada pelos dois países neste sábado e reproduzida pela agência Reuters. "Para atender às crescentes necessidades de consumo do povo chinês e à necessidade de desenvolvimento econômico de alta qualidade, a China aumentará significativamente as compras de bens e serviços dos Estados Unidos. Isso ajudará a apoiar o crescimento e o emprego nos Estados Unidos".

    O comunicado resulta de uma rodada de conversações bilaterais que contou com a participação de vários secretários de gabinete dos EUA e do vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, concretizando em parte uma promessa de campanha do agora presidente dos EUA, Donald Trump, que sempre defendeu a redução do déficit comercial com a China.

    "Encontrei o vice-premiê Liu He e a delegação comercial chinesa no Departamento do Tesouro hoje. Tivemos importantes discussões sobre o reequilíbrio do relacionamento comercial entre os EUA e a China", afirmou anteontem o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin.

    Mais:

    União Econômica Eurasiática e Irã assinam acordo para criar zona de livre comércio
    'Defesa do livre comércio': China protegerá interesses diante de tarifas dos EUA
    Yuan e rublo contra dólar: em que resultará comércio de petróleo em moedas nacionais?
    Tags:
    comércio, Donald Trump, Steven Mnuchin, Liu He, Pequim, Washington, EUA, Estados Unidos, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik