23:01 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira chinesa e sinal de V (gesto com a mão)

    2 opções devastadoras com que China pode 'bombardear' EUA

    CC0 / Pixabay
    Economia
    URL curta
    19504

    Se Washington aplicar novas sanções comerciais, a resposta da China pode afetar o setor da energia norte-americano e a economia norte-americana em geral, preveem especialistas.

    Em 3 de abril, o Escritório do Representante Comercial dos EUA (USTR, na sigla em inglês) anunciou que aplicará tarifas sobre as importações de 1.300 produtos chineses, com um valor total de 50 bilhões de dólares (R$ 160 bilhões). Dois dias depois, o presidente Donald Trump disse que está disposto a aumentar as tarifas com um valor de 100 bilhões de dólares (R$ 320 bilhões).

    O Ministério do Comércio da China, por sua vez, anunciou a aplicação de tarifas comerciais contra 128 produtos norte-americanos. Pequim também deu a entender que poderia tomar medidas contra as importações de portadores de energia dos EUA.

    Setor energético

    A China é o maior comprador regional de petróleo norte-americano, bem como de gás natural liquefeito. As matérias-primas poderão ser arrastadas para a guerra comercial se as tensões continuarem crescendo, avisaram Heesu Lee e Stephen Stapczynski em seu artigo para a Bloomberg.

     Os autores citaram Will Yun, um analista de petróleo cru da Hyundai Futures Corp. Ele afirmou que Pequim se dá conta de uma possível reação dolorosa dos EUA às medidas contra o setor da energia, portanto, as usaria com cuidado.

    "A China pode se recusar a importar portadores de energia norte-americanos em qualquer momento, porque existem outras fontes de abastecimento. Para os EUA, o setor da energia é uma questão muito sensível. Os países podem finalmente resolver o conflito e chegar a um acordo e a China pode não usar a energia na etapa inicial da disputa. É um ás na manga e o país tentará usá-lo de maneira sábia", disse ele.

    Segundo as estimativas do banco Citigroup, em 2017, o volume das exportações de petróleo dos EUA à China duplicou em relação ao ano passado e atingiu um volume de 435 mil barris por dia.

    A China é também o maior comprador de gás natural liquefeito norte-americano: no quarto trimestre, o volume das importações chinesas chegou a cerca de 750 milhões de metros cúbicos por dia.

    Títulos públicos

    Pequim também tem uma "opção nuclear": a venda de títulos do Tesouro dos EUA, advertiram à Reuters os financistas norte-americanos.

    A China é o maior proprietário soberano do mundo (além da Reserva Federal dos EUA) de títulos públicos dos EUA: no fim de janeiro de 2018, ela possuía títulos de dívida norte-americana no valor de 1,17 trilhão de dólares (R$ 3,7 trilhões).

    Os especialistas reconheceram que, no caso de uma venda significativa desses títulos públicos pela China, os EUA enfrentarão um aumento significativo nas taxas de juros.

    Entretanto, tal como no caso da energia e das importações de petróleo norte-americano, os especialistas sublinharam que a China não aplicará essa medida imediatamente.

    Mais:

    Este economista acredita que os EUA vão se arrepender de tarifas contra a China
    Trump anuncia guerra comercial com a China e impõe tarifas de até US$ 60 bilhões
    Tags:
    guerra comercial, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik