14:14 14 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    150
    Nos siga no

    Enquanto acordos comerciais do Brasil com outros blocos se arrastam há anos sem serem fechados, caso das negociações entre Mercosul e União Europeia, em outros casos eles vão de vento em pompa. Nos últimos anos, a corrente de comércio entre Brasil e países árabes não pára de crescer. Só no ano passado, foram pouco mais de US$ 20 bilhões.

    Prova desse interesse foi visto no Fórum "Construindo o Futuro", realizado em São Paulo, que contou com a presença do presidente Michel Temer, do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e de centenas de empresários. A aproximação do Brasil tem se dado não apenas em números de trocas comerciais, como também em parcerias e projetos de desenvolvimento. Em entrevista à Sputnik Brasil, o secretário-geral da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Michel Alaby, diz que essa relação só tende a crescer.

    "Os países árabes dependem muito da importação de alimentos. Tem também minério de ferro e outros produtos manufaturados, bens de capital, como máquinas agrícolas, tratores, o que tem influenciado muito o comportamento positivo da exportação brasileira. No ano passado, o Brasil teve um superávit de US$ 7 bilhões", diz o dirigente.

    No tocante à exportação de material bélico brasileiro para esses países, Alaby diz que o comércio de produtos de defesa tem um peso significativo, embora não corresponda à parte principal da pauta. Entre os principais compradores na região estão Argélia, Arábia Saudita e  Emirados Árabes.

    Alaby observa que o Brasil importa dos países árabes muito petróleo e fertilizantes. A Câmara está tentando ampliar essa pauta com outros produtos para o país, como azeite de oliva, tâmaras, têxteis e confecções, produtos onde têm reconhecida competência internacional. Segundo o dirigente, hoje os principais parceiros do Brasil no mundo árabe são Arábia Saudita, Egito, Emirados Árabes, Argélia e Marrocos. Feiras também têm sido uma boa oportunidade para incrementar negócios.

    "Na próxima semana vamos ter um grupo de empresas que vai visitar quatro países: Egito, Tunísia, Jordânia e Mauritânia. A ideia de buscar mercados alternativos tem o seu valor. Hoje o mundo árabe é o quarto bloco mais importante do ponto de vista do comércio exterior brasileiro", exemplifica Alaby.

    Para o secretário-geral da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, em termos de comércio e protecionismo, os países árabes são mais abertos do que os brasileiros. Nos países do Golfo Arábico, a tarifa de importação é de 5%, muito menor do que a brasileira. Já nos países do norte da África, as tarifas são bem maiores, ao redor de 30%.

    Mais:

    Brasil voltará a vender carne bovina para a Arábia Saudita
    Rei saudita apela a livre comércio entre países árabes e América Latina
    Tags:
    parcerias comerciais, comércio internacional, protecionismo, investimento, tarifas, competitividade, Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Michel Alaby, Henrique Meirelles, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar