16:49 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Corrente de comércio entre Brasil e países árabes já ultrapassa US$ 20 bilhões

    Estes, sim, são os verdadeiros negócios das Arábias

    © AFP 2018 / Nelson Almeida
    Economia
    URL curta
    150

    Enquanto acordos comerciais do Brasil com outros blocos se arrastam há anos sem serem fechados, caso das negociações entre Mercosul e União Europeia, em outros casos eles vão de vento em pompa. Nos últimos anos, a corrente de comércio entre Brasil e países árabes não pára de crescer. Só no ano passado, foram pouco mais de US$ 20 bilhões.

    Prova desse interesse foi visto no Fórum "Construindo o Futuro", realizado em São Paulo, que contou com a presença do presidente Michel Temer, do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e de centenas de empresários. A aproximação do Brasil tem se dado não apenas em números de trocas comerciais, como também em parcerias e projetos de desenvolvimento. Em entrevista à Sputnik Brasil, o secretário-geral da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Michel Alaby, diz que essa relação só tende a crescer.

    "Os países árabes dependem muito da importação de alimentos. Tem também minério de ferro e outros produtos manufaturados, bens de capital, como máquinas agrícolas, tratores, o que tem influenciado muito o comportamento positivo da exportação brasileira. No ano passado, o Brasil teve um superávit de US$ 7 bilhões", diz o dirigente.

    No tocante à exportação de material bélico brasileiro para esses países, Alaby diz que o comércio de produtos de defesa tem um peso significativo, embora não corresponda à parte principal da pauta. Entre os principais compradores na região estão Argélia, Arábia Saudita e  Emirados Árabes.

    Alaby observa que o Brasil importa dos países árabes muito petróleo e fertilizantes. A Câmara está tentando ampliar essa pauta com outros produtos para o país, como azeite de oliva, tâmaras, têxteis e confecções, produtos onde têm reconhecida competência internacional. Segundo o dirigente, hoje os principais parceiros do Brasil no mundo árabe são Arábia Saudita, Egito, Emirados Árabes, Argélia e Marrocos. Feiras também têm sido uma boa oportunidade para incrementar negócios.

    "Na próxima semana vamos ter um grupo de empresas que vai visitar quatro países: Egito, Tunísia, Jordânia e Mauritânia. A ideia de buscar mercados alternativos tem o seu valor. Hoje o mundo árabe é o quarto bloco mais importante do ponto de vista do comércio exterior brasileiro", exemplifica Alaby.

    Para o secretário-geral da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, em termos de comércio e protecionismo, os países árabes são mais abertos do que os brasileiros. Nos países do Golfo Arábico, a tarifa de importação é de 5%, muito menor do que a brasileira. Já nos países do norte da África, as tarifas são bem maiores, ao redor de 30%.

    Mais:

    Brasil voltará a vender carne bovina para a Arábia Saudita
    Rei saudita apela a livre comércio entre países árabes e América Latina
    Tags:
    parcerias comerciais, comércio internacional, protecionismo, investimento, tarifas, competitividade, Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Michel Alaby, Henrique Meirelles, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik