09:43 23 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Produtores de soja dos EUA podem sentir grande impacto das medidas chinesas em resposta às novas tarifas norte-americanas

    China promete responder a declaração de guerra comercial dos EUA

    © REUTERS / Jorge Adorno
    Economia
    URL curta
    9220

    A China está preparando uma resposta à decisão do governo Donald Trump de impor novas tarifas à importação de mercadorias chinesas, que podem provocar perdas de dezenas de bilhões de dólares.

    Em comunicado divulgado nesta quinta-feira, o Ministério do Comércio chinês disse que Pequim "tomará todas as medidas necessárias para defender resolutamente seus direitos e interesses legítimos". 

    Mais cedo, a Casa Branca anunciou tarifas de aproximadamente US$ 60 bilhões sobre produtos chineses, prometendo elaborar uma lista completa dos bens a serem afetados dentro de 15 dias. Washington introduziu as medidas em resposta aos ganhos chineses com práticas consideradas injustas pelos EUA. Essas tarifas serão complementares às adotadas recentemente sobre a importação de aço e alumínio. 

    De acordo com o Wall Street Journal, as medidas chinesas contra os EUA devem afetar principalmente produtos agropecuários, como soja, sorgo e suínos. Atualmente, a China importa cerca de um terço da produção norte-americana de soja, o que significa, segundo o jornal, que mudanças nessa área poderiam prejudicar diretamente a base eleitoral de Donald Trump em zonas rurais dos Estados Unidos. Outras respostas de Pequim podem incluir o cancelamento de pedidos de compra de aeronaves e outros produtos industriais de alto valor agregado. 

    Mais:

    Estados Unidos confirmam que devem negociar com Brasil cobrança de tarifas
    Após criticar tarifas, Macron elogia encontro de Trump com Kim
    Tarifas de Trump devem atrapalhar produção energética dos EUA, diz senadora
    'Por favor?': Macri pede a Trump que isente a Argentina de tarifas de aço
    Tags:
    tarifas, impostos, comércio, The Wall Street Journal, Casa Branca, Donald Trump, Pequim, Washington, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik