02:00 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Glaceiro no Parque Nacional dos Fiordes de Kenai. 1 de setembro 2015. Seward, Alasca.

    Quais interesses China tem no Alasca?

    © AFP 2018 / MANDEL NGAN
    Economia
    URL curta
    4171

    O financiamento e desenvolvimento chinês de campos de gás pela China no Alasca será um dos principais assuntos abordados, em maio deste ano em Pequim, pelo governador norte-americano Bill Walker. A participação nesse projeto permitirá que a China amplie a compra de gás natural liquefeito (GNL) no mercado mundial.

    Em novembro de 2017, Bill Walker e Keith Meyer, presidente da Alaska Gasline Development Corp, assinaram um acordo em Pequim, na presença do Xi Jinping da República da China e do presidente norte-americano Donald Trump, referente à realização do projeto de liquefação de gás natural. O valor do projeto é de 43 bilhões de dólares.

    De acordo como o especialista russo Aleksei Gromov, os investidores norte-americanos guardavam esse projeto até o último momento devido às situações econômicas que estão permanecendo no mundo internacional de gás.

    "A China se mostrou bastante interessada em criar desenvolvimento conjunto nesse campo, o que os EUA consideraram um sucesso diplomático por parte do Donald Trump […] Ao mesmo tempo, a China ainda não chegou a uma decisão final e mostrou somente suas intenções e interesse nesse projeto […]", comentou Gromov à Sputnik China.          

    O contrato está programado para o fim de 2018. O projeto de liquefação de gás natural unirá o sul ao norte do estado: na cidade de Nikiski (Alasca), uma fábrica de liquefação de gás natural deverá ser construída, a qual será conectada ao complexo de campos de gás Prudhoe Bay, no norte da Alasca, através de um gasoduto de 1.280 km. O volume estimado de produção será de 27,6 bilhões de metros cúbicos por ano.

    "Se tomar a decisão de participar do projeto, a China certamente dará um novo impulso à remessa de GNL, a médio prazo, para o mercado chinês. Isso inclui a estratégia global chinesa, porque, no final de 2017, a China ocupou o segundo lugar no mundo em importação de GNL, atrás apenas do Japão […]", disse o especialista.

    Desde 2011, a China tem sido o maior parceiro comercial do Alasca. O volume de exportação do Alasca para a China totalizou-se em 1,18 bilhão de dólares em 2016. Ao mesmo tempo, o presidente Donald Trump prossegue com uma política de isolacionismo e protecionismo comercial, o que prejudica suas relações com a China. O Alasca e a Califórnia, entre outros estados americanos, querem promover contratos econômicos com a China, que desempenha um papel fundamental no desenvolvimento da economia e comércio dos EUA. A cooperação mútua permitirá que ambas as partes colham seus frutos de um modo melhor e mais rápido, e minimize as consequências dos atritos comercias e desentendimentos em nível internacional.

    Mais:

    'Prova de confiança': EUA querem que Gazprom volte a fornecer gás para a Ucrânia
    Venezuela lança moeda virtual garantida por petróleo em meio a sanções dos EUA
    EUA consideram restrições sobre o petróleo venezuelano
    Analista: só um país pode derrubar gasoduto Nord Stream 2
    Tags:
    protecionismo, importação, acordo, projeto, Gás Natural Liquefeito, Donald Trump, Xi Jinping, Alasca, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik