09:32 17 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    Criptomoedas: a revolução financeira silenciosa (47)
    120
    Nos siga no

    O vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, declarou que a UE está pronta a regular as criptomoedas se os riscos do setor não forem controlados. O analista Ronie Moas comenta as possíveis consequências dessa decisão.

    As medidas regulatórias que os países poderiam estabelecer afetarão 95% das criptomoedas. 

    Mas na realidade, existem mais de um mil criptomoedas e essa regulação não afetará as 50 divisas virtuais mais utilizadas. A maioria delas "tem a legitimidade suficiente para não se preocupar com esse aspecto", revelou Ronie Moas, fundador e diretor da empresa financeira Standpoint Research à Sputnik Internacional.

    "Não me importo se a regulamentação do mercado fizer manchetes na China, Rússia, Coreia do Sul ou EUA porque, aconteça o que acontecer nesses países, há outros 180 países que podem manter a oferta. A oferta de que o bitcoin goza é tão limitada e a diferença entre a oferta e a demanda é tão brutal que não me importo realmente que algum país introduza qualquer tipo de regulamentação", reconheceu Moas. 

    O analista refere-se aos últimos movimentos de reguladores financeiros de países como o Japão, a Coreia do Sul ou os Estados Unidos, onde o mercado de criptomoedas é mais desenvolvido. Os reguladores estão tentando apertar o controlo sobre estas moedas. São medidas que incluem, por exemplo, proibir as transações, ou aumentar as restrições no mercado virtual. No caso da China, as medidas incluem a proibição de usar sites e aplicativos estrangeiros para celulares que dão acesso a esses tipos de mercados.

    Entretanto, para o especialista, o que é mais assustador é que esses mesmos países — a Coreia do Norte, a China, os EUA e a Rússia – possam vir a anunciar alguma medida conjuntamente, algo que poderia causar o pânico entre aqueles que investiram nas principais criptomoedas.

    Aqueles que investem no bitcoin já sabem onde se metem, explicou Ronie Moas, são pessoas que, a partir do momento em que investem na criptomoeda, procuram ganhar oito vezes mais do que apostaram. O problema é a incerteza e os riscos enormes.

     "Se você apostar hoje, você terá que lidar com as ameaças e com as incertezas que ainda não foram eliminadas", concluiu ele.

    Tema:
    Criptomoedas: a revolução financeira silenciosa (47)

    Mais:

    'Bitcoin pode cair para 1.000 dólares em abril ou maio', prevê analista financeiro
    Verdadeira fraude é o dólar e não o bitcoin, diz especialista
    'Bitcoin é um ativo, não uma moeda': Israel estabelece nova taxação de criptomoedas
    Tags:
    bitcoin, finanças, UE, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar