14:32 22 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Moeda de rublo em frente ao Kremlin, em Moscou

    Trilhão de dólares: EUA podem vir a perder este singelo valor com sanções antirrussas

    © AFP 2018 / Alexander Nemenov
    Economia
    URL curta
    12321

    O presidente russo, Vladimir Putin, encorajou os russos ricos a repatriar alguns de seus ativos do exterior introduzindo um programa de anistia fiscal.

    "Nós e nossos empresários temos enfrentado repetidamente congelamentos de ativos ilegais e injustificados sob o pretexto de sanções. A iniciativa do presidente tem como objetivo criar condições cômodas para que as empresas tragam de volta seu capital, caso desejem", explicou o porta-voz do presidente da Rússia, Dmitry Peskov.

    A proposta veio depois de as autoridades financeiras norte-americanas terem decidido congelar 22,6 bilhões de dólares (R$ 75 bilhões) do Cazaquistão armazenados nos EUA pela demanda de um empresário moldavo contra o país. O dinheiro pertence ao Fundo Nacional do Cazaquistão e provém do rendimento de petróleo do país. No total, a quantidade congelada representa 17% do PIB do país.

    Segundo estimativas da agência norte-americana Boomberg, o capital das empresas russas, que poderia retornar ao país com a ajuda do programa, pode atingir um trilhão de dólares (R$ 3,3 trilhões). 

    Entretanto, para o colunista da Sputnik Ivan Danilov, até a repatriação de uma pequena parte desse suposto valor, as ações dos EUA poderiam criar um impulso positivo para os investimentos na economia local, ao invés de alcançar seu objetivo declarado – exercer pressão sobre o sistema financeiro russo.

    Danilov sublinhou que o objetivo original da nova fase de "sanções pessoais" contra os empresários russos fracassou, inclusive as programadas para fevereiro de 2018. Esse objetivo consistia em forçar os homens de negócios russos, que têm ativos importantes no Ocidente, a participar de uma luta política contra o presidente russo para preservar seu dinheiro.

    Quando Washington adotou o segundo pacote de sanções pessoais, especialistas dos EUA esperavam que os empresários afetados se voltassem contra Putin, mas, em vez disso, vieram ao presidente russo com propostas para um retorno seguro de seu capital ao país.

    De momento, os oligarcas russos estão considerando as seguintes opções: manter o dinheiro em bancos ocidentais e estar preparados para seu congelamento a qualquer momento, ou emprestar de forma anônima seus dólares, euros ou libras ao Ministério das Finanças da Rússia.

    "A eleição parece simples e, realmente, resume-se em saber em quem a comunidade empresarial tem mais confiança: no presidente russo, que concordou com o lançamento dessas condições especiais, ou nos Departamentos de Estado e do Tesouro dos EUA, que escrevem a lista negra", afirma Danilov. 

    Mas, para aqueles que estão prontos não apenas para transferir dinheiro para a Rússia, mas também para mudar seus negócios, Putin ofereceu um sério incentivo. Ele pediu à Duma do Estado (câmara baixa do parlamento russo) que promulgue leis adequadas para executar sua proposta, que é libertar comerciantes, que fecharão seus negócios no exterior e os transferirão à Federação da Rússia, do imposto de 13%.

    Em toda a história das novas sanções dos EUA contra a comunidade empresarial russa, há aspectos mais positivos do que negativos, concentrando-se na situação não do ponto de vista dos negócios, mas do interesse público, assegurou a analista do Sputnik.

    "Mesmo que zero dólar seja investido nos títulos para o retorno do capital e nenhum empresário encerre suas empresas no Ocidente e as transfira à Rússia em troca de uma dedução fiscal de 13%, as sanções terão um efeito positivo na comunidade de negócios", conclui Danilov.

    Mais:

    Caças soviéticos MiG-21 e MiG-29 são vendidos nos EUA por alguns milhões de dólares
    O animal que ganha mais de 3 milhões de dólares por ano (FOTOS)
    Kiev pagou 400 mil dólares por reunião com Trump
    Muro de Trump na fronteira com México custará 67 bilhões de dólares
    Tags:
    negócio, sanções, moeda, dólares, Vladimir Putin, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik