11:04 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Poço de petróleo na Venezuela (foto de arquivo)

    Venezuela destinará campo de petróleo para fortalecer criptomoeda nacional

    © AP Photo / Fernando Llano
    Economia
    URL curta
    593
    Nos siga no

    Petro, a criptomoeda criada e promovida pelo governo venezuelano, será apoiado pelo campo número 1 do Bloco Ayacucho da Faixa Petrolífera do Orinoco. O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, aprovou na quarta-feira (27) o decreto correspondente.

    "Estou oficializando, com o certificado internacional na mão, o campo número 1 [do Bloco Ayacucho da Faixa Petrolífera do Orinoco] como base da criptomoeda [Petro] que tem cinco bilhões de barris de petróleo", afirmou Maduro citado pela a emissora Venezolana de Televisión (VTV).

    Segundo o presidente, essa reserva “significa uma grande riqueza material de apoio à única criptomoeda no mundo que começará funcionando apoiada em uma riqueza comprovável, certificada e verificável”.

    "É uma revolução financeira, monetária das criptomoedas e essa revolução está vindo humildemente desta Venezuela livre, soberana e independente", declarou ele.

    Bitcoin
    © REUTERS / Benoit Tessier/Illustration
    Maduro anunciou no início de dezembro a criação de uma criptomoeda apoiada por reservas de petróleo para defender a soberania econômica e vencer "o bloqueio financeiro" imposto contra o país.

    O presidente venezuelano acrescentou que a nova divisa servirá para realizar transações financeiras e buscar novas formas de financiamento.

    Além disso, a Venezuela estabelecerá o Observatório de BlockChain para o "controle institucional" do sistema de criptomoeda e para garantir seu funcionamento adequado.

    Mais:

    EUA condenam proposta da Venezuela de excluir a oposição em futuras eleições
    Venezuela: ex-chefes de petróleo são presos por corrupção
    Vice-presidente da Venezuela insinua que Maduro tentará a reeleição em 2018
    Tags:
    petróleo, criptomoeda, finanças, Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar