12:07 13 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Colheita de soja no Brasil.

    França e Irlanda resistem a acordo entre UE e Mercosul, diz especialista

    Fotos Públicas / Palácio Piratini / Camila Domingues
    Economia
    URL curta
    530

    Durante reunião da Organização Mundial do Comércio (OMC), o presidente Michel Temer (PMDB) foi otimista: afirmou que o acordo comercial entre União Europeia e Mercosul, negociado desde 1999, pode ser assinado no dia 21 de dezembro.

    A XI Conferência Ministerial da OMC ocorre em Buenos Aires de 10 a 13 de dezembro, quarta-feira. Já em seu primeiro dia, foi realizado um encontro das chancelarias do Mercosul com a comissária de Comércio na Comissão Europeia (CE), Cecilia Malmström. Estão previstas rodadas de negociações entre os dois blocos.

    Europeus e latinos, entretanto, não conseguem chegar a um consenso sobre as cotas de exportação de etanol e carne — principais produtos da economia do Mercosul. Enquanto a União Europeia aceita comprar até 70 mil toneladas por ano de carne e 600 mil toneladas de etanol, o Mercosul pretende conseguir limites maiores.

    "A União Europeia está ocupando um espaço que, aparentemente, os Estados Unidos têm deixado. Só que quando vamos olhar na maneira como a União Europeia tem negociado, ela não tem aberto a questão agrícola. Isso muito por conta de seus interesses domésticos, de alguns países que se beneficiam da política agrícola comum. Os exemplos mais fortes são a França e a Irlanda, países que encabeçam esse movimento contrário a um acordo com o Mercosul", afirmou em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil Lucas Bispo, mestrando em relações internacionais e especialista na relação entre os dois blocos.

    Bispo diz que o Brexit também influencia negativamente o avanço das negociações: "O Reino Unido absorve metade das exportações de carne da Irlanda. Mas como o Reino Unido está em uma situação complexa por conta do Brexit, essas exportações têm caído".

    Além da morosidade típica de uma negociação de grande parte como essa, Bispo esclarece que seus efeitos, ainda que um acordo seja assinado neste ano, devem demorar para serem sentidos. Afinal, a isenção de taxas deve demorar algo em torno de 10 anos para ser implementada e o acordo precisaria ser aprovado pelo Legislativo dos países do Mercosul, o que tomaria algo em torno de mais dois anos.

    Os números atuais

    Em 2016, o Brasil exportou US$ 33,357 bilhões para a União Europeia e importou US$ 31,062 bilhões.

    O perfil das exportações foi o seguinte: produtos básicos (44,4%), produtos manufaturados (37,8%) e produtos semimanufaturados (16,9%). O produto mais popular nas vendas foi a soja.

    Já as importações tiveram o seguinte perfil: produtos manufaturados (94,8%), produtos semimanufaturados (3,3%) e produtos básicos (1,89%). O produto que mais compramos foram medicamentos para medicina humana e veterinária.

    Mais:

    Aviso aos familiares: casamento Mercosul-UE fica (talvez) para 2018
    Acordo entre Mercosul e UE 'tem os componentes do antigo pacto colonial', dizem analistas
    Apesar da suspensão da Venezuela, Mercosul segue sem fechar acordos
    Livre comércio existe ou não no fim das contas? Mercosul é analisado de perto
    Oferta da UE sobre acordo comercial com Mercosul não agrada Argentina, Brasil e Uruguai
    Ministro do Uruguai diz que Reforma Trabalhista brasileira pode violar regras do Mercosul
    Mercosul está disposto a fazer concessões à UE, mas exige contrapartidas
    Mercosul discute acordo de combate comum ao crime organizado
    'Protecionismo europeu' ainda trava acordo do Mercosul com a UE, diz especialista
    Tags:
    OMC, União Europeia, Mercosul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik