07:48 21 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Yuan chinês

    Internalização do yuan continua

    © Sputnik/ Aleksadr Demyanchuk
    Economia
    URL curta
    71633132

    Pequim está abolindo o limite máximo de capital estrangeiro nos bancos e empresas gestoras de fundos. Além disso, o país decidiu ampliar o acesso de investidores estrangeiros aos mercados financeiros da China.

    As autoridades chinesas anunciaram essas inovações no dia seguinte à visita do presidente Donald Trump à China. Entretanto, segundo os especialistas, essas medidas são um passo lógico e levou anos para adotá-las.

    O vice-ministro das Finanças da China, Zhu Guanyao, anunciou que o limite máximo de capital estrangeiro em empresas gestoras de valores, fundos e futuros da China será aumentado para 51%. Três anos após a entrada em vigor dessas normas, todos os limites serão abolidos. Agora há diversas restrições: a cota máxima de 20% na compra de ações para investidores individuais e o limite máximo de 25% para o conjunto dos investidores estrangeiros. Entretanto, Zhu Guanyao não disse quando as novas medidas entrarão em vigor. 

    Durante o encontro de Trump com o líder chinês Xi Jinping, o presidente norte-americano se queixou das condições injustas de comércio entre dois países e apelou para ampliar o acesso das empresas norte-americanos aos mercados chineses. 

    Não é de admirar que a liberalização dos mercados financeiros, anunciada pelas autoridades da China, seja definida por muitas pessoas como um sucesso diplomático de Trump. Entretanto, isso não corresponde realmente à verdade. Segundo o especialista do Instituto da Economia Mundial da Academia Chinesa de Relações Internacionais Contemporâneas, Xu Feibiao, essas decisões de Pequim foram exploradas e acordadas a diferentes níveis durante um longo período de tempo.

    "A China presta muita atenção à estabilidade financeira. Por isso nos últimos dois anos adotou uma série de medidas restritivas ligadas ao sistema bancário paralelo e mercados financeiros. Por essa razão, a declaração atual se tornou uma surpresa para muitos. Na verdade, a necessidade de reformar e de tornar o setor financeiro mais aberto foi discutida ainda no 18° Congresso do Partido Comunista. No relatório do atual 19° Congresso do partido, também se falou da necessidade de reformas em favor do mercado e de uma maior abertura do setor financeiro, bem como da internalização do yuan, de forma a que a economia chinesa passe para um novo nível", disse ele à Sputnik China

    Por que razão a China decidiu abrir seus mercados? A resposta é clara: o país quer atrair investimentos estrangeiros frente ao aumento do risco sistêmico na economia. O peso total da dívida chinesa ultrapassou 256% do PIB em 2017, a dívida das empresas é de 176% do PIB. É um índice muito alto. Em comparação, nos EUA é de 73%, no Japão – 96% do PIB. Nas últimas duas décadas, especialmente depois da crise de 2008, a economia chinesa tem crescido devido à concessão de créditos ao sector empresarial.

    Durante muitos anos a China encorajou os investimentos em projetos sociais e de infraestrutura, bem como no setor imobiliário. Esses setores necessitam de investimentos a longo prazo e empregam muitas pessoas, tendo contribuído para o crescimento do PIB. Entretanto, hoje em dia nesses setores se observa uma bolha que exige mais créditos. As autoridades entendem que tudo isso pode levar a uma falha maciça de pagamento de dívidas, que, por sua vez, representa um risco sistêmico para a economia.

    De acordo com Julian Evans-Pritchard da empresa Capital Economics (Asia) Pte. Ltd., a China planeja usar a experiência estrangeira para lidar com o endividamento excessivo nos mercados financeiros.

    "As autoridades esperam que concorrência seja benéfica [para a economia chinesa] e que o sistema financeiro se torne mais eficaz. No entanto, o aumento da participação dos investidores estrangeiros [no capital das empresas chinesas] é uma questão controversa. Todos estão preocupados com o problema do endividamento, o papel das entidades regulatórias e as regras pouco claras no mercado, bem como com a possibilidade de controle das autoridades sobre o fluxo de capitais", disse ele.

    Espera-se que, em vez do setor bancário, o afluxo de capital estrangeiro se observe nos fundos de investimento e empresas de seguros, que são menos controlados pelo governo chinês. E essa situação será favorável para as autoridades da China, porque através das empresas desse tipo é possível contornar as restrições impostas pelas entidades regulatórias para estabilizar o sistema financeiro.

    A cooperação será mutuamente vantajosa. Os estrangeiros terão acesso a parte do mercado, enquanto as autoridades aprenderão a regular o setor financeiro. 

    Mais:

    Rublo e yuan ganham direitos iguais na China e na Rússia
    China faz passo importante na internacionalização do yuan
    Tags:
    economistas, finanças, yuan, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik