21:42 21 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Tropas norte-americanas passam através Alemanha para Leste Europeu

    'O negócio da China é negócio. O negócio dos EUA é a guerra'

    © AP Photo / Ingo Wagner
    Economia
    URL curta
    17303

    Enquanto os EUA se concentram em guerras, a China quer a prosperidade econômica, afirma o consultor de negócios Gerald Celente, que prevê que a economia chinesa se torne a maior do mundo em menos de 10 anos, informa o RT.

    "Os políticos mentem, mas os números não. Dê uma olhada no declínio dos EUA e no avanço da China. A tendência é inegável. Os Os agregados familiares com renda média dos EUA diminuíram de 61% em 1971 para 50% hoje em dia, enquanto na China esta porcentagem cresceu de 5% em 2000 (imediatamente antes de aderir à Organização Mundial do Comércio) para cerca de 35% hoje", comunicou Celente ao RT, acrescentando que Pequim se comprometeu a investir no futuro econômico do país e dos cidadãos. 

    Enquanto a China se concentra no crescimento econômico e na prosperidade dos seus cidadãos, a situação nos EUA é bem diferente, informa o RT.

    "Nunca vão ouvir estas palavras dos políticos norte-americanos. Compare a visão de Xi com as ações de Donald Trump, o seu pedido de meios orçamentais massivos para um 'maior crescimento militar na história dos EUA'… sem nenhuma palavra sobre as necessidades crescentes de criar melhores condições de vida, harmonia, avanço cultural e uma bela nação", sublinhou. 

    Enquanto a economia chinesa está crescendo a taxas de 6,5 a 7% ao ano e os EUA ficam bloqueados na zona dos 2-2,5%, Celente prevê que a China vai se tornar a maior economia nos próximos 10 anos.  Os EUA têm chance de adiar o domínio chinês, mas só quando Washington parar de patrocinar as guerras e favorecer Wall Street, concluiu ele. 

    Mais:

    China desafia EUA no canal do Panamá
    China possui em suas mãos 'calcanhar de Aquiles' da Defesa dos EUA
    Tags:
    tendência, condições de vida, patrocinadores, investimento, crescimento econômico, avanço, guerra, economia, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik